PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Barcelona repete fracasso de 45 anos atrás e volta a ver fantasmas

O zagueiro Sergio Ramos, do Real Madrid, e Messi, do Barcelona, em lance pelo clássico do Campeonato Espanhol - OSCAR DEL POZO / AFP
O zagueiro Sergio Ramos, do Real Madrid, e Messi, do Barcelona, em lance pelo clássico do Campeonato Espanhol Imagem: OSCAR DEL POZO / AFP
Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

02/03/2020 04h00

A derrota para o Real Madrid, ontem, no Santiago Bernabéu, deixou o "barcelonismo" assustado. Assustado como há muito não se via. As assombrações estão de volta. O medo de voltar a ser inferior ao Real Madrid, como indiscutivelmente era antes da aparição de um certo Lionel Messi.

Pode parecer difícil imaginar, mas durante 30 temporadas, entre 1960 e 1990, o Barça ganhou somente duas Ligas espanholas. Não era nem claramente o segundo time do país - disputava o posto com os Atléticos de Madri e de Bilbao. A história é a história. E, na história, quem ganha é o Real Madrid.

Como disse um colunista catalão, "o velho Real Madrid vai sempre ganhar do velho Barcelona". E, conforme os anos passam, a aposentadoria (ou saída) de Messi vai ficando mais próxima. Cresce o medo de o Barça voltar a ser o que era - e era muito, mas não tanto quanto o Madrid.

Com o empate de 0 a 0 no Camp Nou, em dezembro, e a derrota por 2 a 0 no Bernabéu, o Barcelona passa o campeonato inteiro sem fazer um gol sequer em seu maior rival. Desde quando isso não acontecia? Desde a temporada 74/75, lá se vão 45 primaveras sem que o time fracassasse na tentativa de fazer um mísero gol. Não ficava sem marcar um gol no Bernabéu desde a temporada 2006/2007.

Na era Messi, o Barça ganhou 15 de 30 jogos que fez contra o Madrid pelo campeonato. Messi fez parecer normal o que nunca foi normal. É o primeiro recorte da história em que o Barça é melhor, mais temido e mais respeitado que o Madrid. Mas, ontem, Messi não empatou o jogo porque perdeu um sprint para... Marcelo! Não que Marcelo seja lento, mas o simbolismo do lance foi muito forte.

A idade está chegando para Messi? Já não dá mais para confiar nele para resolver (mascarar?) todos os problemas? Será que o fim de uma era representará necessariamente uma volta ao passado?

O catastrofismo é quase inevitável quando falamos de futebol. Detalhes, pequenos acertos, pequenos erros, pequenos acasos, pequenos espaços, pequenas distâncias, determinam um resultado de vitória ou de derrota. Mas os traumas do passado fazem a análise fria parecer um monte de letrinhas minúsculas em um teste de visão.

Os fantasmas do barcelonismo estavam meio sumidos. O clássico do Bernabéu acordou alguns.

Julio Gomes