PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Julio Gomes


Mãe de vítima do Ninho relata tristeza e revolta com o Flamengo

Julio Gomes

Julio Gomes é jornalista esportivo desde que nasceu. Mas ganha para isso desde 1998, quando começou a carreira no UOL, onde foi editor de Esporte e trabalhou até 2003. Viveu por mais de 5 anos na Europa - a maior parte do tempo em Madrid, mas também em Londres, Paris e Lisboa. Neste período, estudou, foi correspondente da TV e Rádio Bandeirantes e comentarista do Canal+ espanhol, entre outras publicações europeias. Após a volta para a terrinha natal, foi editor-chefe de mídias digitais e comentarista da ESPN e também editor-chefe da BBC Brasil. Já cobriu cinco Copas do Mundo e, desde 2013, está de volta à primeira das casas.

14/01/2020 21h00

Rykelmo, 16 anos, era o xodó da dona Rosana. O menino carregava uma homenagem no nome, só vivia de e para o futebol. O sonho e a vida acabaram em um contêiner no Ninho do Urubu.

"Entreguei meu filho no aeroporto para o Flamengo e recebi um caixão lacrado de volta, não pude nem ver o rostinho dele".

O depoimento dado ao programa Bandsports News Debate é dos mais fortes que já ouvi (vídeo abaixo).

O Flamengo anuncia que fez acordo com três famílias e meia. A "meia" é o pai de Rykelmo, que não cuidava do filho, não morava com ele, não tinha a guarda dele.

Quem é oportunista? Quem aponta o dedo para a morosidade do Flamengo? Ou o clube, que se aproveita de uma divisão familiar como esta? Ou o clube, que nada no dinheiro, com previsão orçamentária acima de 700 milhões de reais para 2020, e ainda se aproveita da divisão das 10 famílias, que deveriam estar unidas nesse processo?

Assista aos vídeos e chore com dona Rosana. E fique indignado, como estou. Ou escolha passar o pano para a conversinha de dirigentes de futebol e engravatados que não perderam suas crianças queimadas por irresponsabilidade alheia.

Julio Gomes