PUBLICIDADE
Topo

Gabriel Vaquer

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Galvão Bueno volta inspirado e entrega ótimo entretenimento na Supercopa

Galvão Bueno em seu retorno às transmissões da Globo após 14 meses: voltou com tudo - Reprodução/TV Globo
Galvão Bueno em seu retorno às transmissões da Globo após 14 meses: voltou com tudo Imagem: Reprodução/TV Globo
Gabriel Vaquer

Gabriel Vaquer cobre mídia esportiva desde 2014. No UOL Esporte, conta detalhes do evento onde seu time joga e onde seu profissional de TV esportiva favorito vai trabalhar.

11/04/2021 13h23

É inegável: para quem ama futebol, para quem adora televisão e para quem está sedento por boas notícias no meio do Brasil 2021, onde a pandemia do covid-19 mata mais de 3 mil por dia, o retorno de Galvão Bueno na Supercopa do Brasil entre Flamengo x Palmeiras neste domingo (11) é um alento. 14 meses depois, o principal nome da TV esportiva brasileira voltou com todas as suas qualidades - e defeitos.

A melhor notícia é que Galvão Bueno retornou emocionado, empolgado e se divertindo com o jogo que fez. Ajudou, claro, a ótima qualidade que os dois times entregaram. Afinal, "vendedor de emoções" que é, como ele mesmo se define, não teria como fazer milagres com uma partida que fosse lamentável.

O lado emocional foi principalmente pela propaganda a favor da vacina que Galvão Bueno fez. "Vacina sim, ciência sim, viva a vida!", disse ele. Por muita gente ainda duvidar do que a vacina consegue e por Galvão falar para um público muito além do futebol, é importante que ele mostre: a vida voltará ao normal se houver como vacinar todo mundo.

A empolgação se mostrou nos gols. Galvão narrou ao seu estilo dos últimos anos, mais cadenciado e sem a grande potência de seu auge, mas com animação. Claro, não podemos esquecer seus bordões. Foi "haja coração para lá", "prepare o seu coração" para cá... Diversão, de fato, ele entregou.

A diversão aconteceu quando o narrador simplesmente deu um esporro em quem xingava loucamente o árbitro Leandro Vuaden por não marcar um terceiro gol do Flamengo. "Calma aí! Olha a boca, rapaz!", disse Galvão, para a risada do telespectador.

Mas não foi, claro, uma transmissão perfeita. Galvão Bueno errou muitos nomes, principalmente de jogadores do Palmeiras. Chamou Marcos Rocha de "Marcos Rosca", por exemplo. A galera na internet se divertiu, mas isso atrapalha para quem está em casa.

Mostra um pouco porque Galvão tem narrado jogos decisivos e pontuais. É o ritmo que ele consegue hoje. Um jogo a cada semana, para o estilo que Galvão Bueno entrega hoje, é de fato um pouco demais.

O fato acima, porém, não diminui o retorno muito bom que Galvão Bueno teve neste domingo. Após 14 meses, o narrador mostrou que é mais que o nome titular da maior emissora do Brasil. É, de fato, um showman. E inspirado, não tem para ninguém.

Seja bem-vindo de volta, Galvão Bueno!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL