PUBLICIDADE
Topo

Futebol pelo mundo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Sergio Ramos estreia no PSG sob desconfiança e de olho na Copa de 2022

João Henrique Marques

Jornalista desde 2005, passou por Lance ! e Terra. É correspondente do UOL Esporte na Europa desde 2013, com base em Barcelona e depois Paris. Cobriu Copa do Mundo, Eurocopa e cinco finais de Liga dos Campeões.

Colunista do UOL

19/11/2021 04h00

São mais de cinco meses sem jogar, e apenas cinco partidas realizadas em 2021. A inatividade de Sergio Ramos gerou desconfiança no Paris Saint-Germain de que a perna esquerda lesionada poderia impedir o zagueiro de jogar em alto nível. E essa dúvida deve começar a ser desfeita com a provável estreia do jogador no PSG na partida deste sábado contra o Nantes.

Aos 35 anos, Sergio Ramos joga também para provar ao treinador da seleção da Espanha, Luis Enrique, que merece ser convocado para a Copa do Mundo de 2022. A ausência no grupo que disputou a Eurocopa abateu o defensor, que já lutava contra a série de lesões na perna esquerda. Seu último jogo pela seleção foi o empate por 1 a 1 contra a Grécia, pelas Eliminatórias, em março, quando deixou o time no intervalo por reclamar de dores no joelho.

Foi no joelho esquerdo a origem do transtorno de Sergio Ramos. Ele passou por uma cirurgia para correção de um problema no menisco, mas seguiu com dores na região durante boa parte da temporada pelo Real Madrid. No PSG, ele ainda enfrentou lesão na panturrilha na mesma perna, isso por conta da sobrecarga de treinamentos na região.

Sergio Ramos chegou ao PSG após o fim do contrato com o Real Madrid em julho. No mercado do futebol, o fato de o clube espanhol não lutar pela renovação gerou a suspeita de que as lesões enfrentadas na temporada passada eram um sinal de que o jogador já não valia mais um alto investimento.

No entorno de Ramos, a informação é de que o jogador aceitou a ganhar no PSG metade do salário recebido no Real Madrid por gostar do projeto esportivo parisiense, com um contrato até julho de 2023, e também pela necessidade de provar que ainda pode jogar em alto nível. Só que ninguém contava com os quatro meses sem entrar em campo depois da realização dos exames médicos.

De acordo com o jornal francês Le Parisien, a diretoria do PSG trabalhou recentemente com a possibilidade de encerrar o contrato com o zagueiro, que estaria cogitando a aposentadoria. A publicação foi prontamente respondida pelo irmão e empresário do defensor, René Ramos.

"O Sérgio Ramos não vai se aposentar, e ele não vai romper o seu contrato. Disso, ninguém pode ter dúvida. Ele tem um problema físico e vai jogar assim que puder. É que ele não quer correr risco diante de um calendário que ainda terá muitos momentos decisivos", disse René Ramos em entrevista ao jornal espanhol, El Mundo.

Plano de Pochettino é testar PSG com 3 zagueiros

Capitão do PSG, o brasileiro Marquinhos tem status de intocável no time titular. Já a vaga do francês Kimpembe também está assegurada para o importante confronto contra o Manchester City, na próxima semana, pela Liga dos Campeões. Assim sendo, a alternativa trabalhada por Mauricio Pochettino para ter Sergio Ramos como titular em partidas decisivas, é colocar o PSG no esquema 3-4-3.

O problema antes de confirmar a formação é que Pochettino ainda quer testes no Campeonato Francês com o novo esquema. Só que contra o Nantes, Marquinhos, cansado após as partidas pela seleção brasileira, e Kimpembe, em recuperação de lesão na perna direita, não devem atuar.

Diante do Nantes, Sergio Ramos deve ser o titular da zaga ao lado do alemão Kherer. Já a estreia na Liga dos Campeões é mais provável que seja contra o Brugge, no dia 7 de dezembro, no Parque dos Príncipes.

Aos 35 anos, Sergio Ramos joga também para provar ao treinador da seleção da Espanha, Luis Enrique, que deve ser convocado para a Copa do Mundo de 2022