PUBLICIDADE
Topo

Fábio Seixas

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Não quero me animar, mas Barcelona insinua uma briga de 3 equipes

O monegasco Charles Leclerc, da Ferrari, deixa os boxes nesta sexta-feira em Barcelona - Ferrari
O monegasco Charles Leclerc, da Ferrari, deixa os boxes nesta sexta-feira em Barcelona Imagem: Ferrari
Conteúdo exclusivo para assinantes
Fábio Seixas

Fábio Seixas é jornalista com mestrado em Administração Esportiva e passagens por veículos como Folha de S.Paulo, SporTV e TV Globo. Cobriu mais de 170 GPs de F-1, esteve em duas temporadas da Indy e chegou a pilotar um Benetton em Paul Ricard. Voltou para os boxes rebocado.

Colunista do UOL

20/05/2022 14h12

Não quero me animar. Não quero me animar. Não quero me animar.

Isto dito, escrito e registrado, o resultado da sexta-feira em Barcelona foi animador. Porque sugere uma possibilidade de uma briga a três pelos primeiros lugares.

Foi a sexta-feira mais consistente da Mercedes até agora no campeonato. Não, não acho que Russell e Hamilton vão lutar pela vitória no domingo. Mas já começo a acreditar que os dois podem se intrometer na disputa pelas primeiras filas, bagunçando um pouco as coisas.

Mais uma notícia é a Ferrari forte. Outra, a Red Bull um pouco apagada. É a soma desses três cenários que me traz a esperança de bagunça. E, claro, gostamos muito de bagunça.

Na primeira sessão de treinos, deu dobradinha da Ferrari. Leclerc foi o mais rápido, com 1min19s828, vantagem de 0s079 para Sainz. Verstappen foi o terceiro, mas tinha potencial para mais: pegou tráfego na sua melhor tentativa de volta lançada. Russell foi quarto colocado, Hamilton terminou em sexto _Alonso, com a Alpine, ficou entre as duas Mercedes.

Dois novatos foram pra pista: De Vries, pela Williams, e Vips, pela Red Bull.

O holandês, atual campeão da Fórmula E, cumpriu seu objetivo: ficou à frente de Latifi, ajudando a aumentar o fogo sob a frigideira do canadense. Já o estoniano, 8º colocado na F2, não teve uma boa experiência: ficou em último, a 4s de Verstappen.

russell - Mercedes - Mercedes
O inglês George Russell, da Mercedes, nesta sexta-feira em Barcelona
Imagem: Mercedes

À tarde, Leclerc foi o mais veloz, com 1min19s670, melhor marca do dia. E aí veio a novidade: Russell ficou em segundo, a 0s117, seguido por Hamilton.

Sainz terminou em quarto. Verstappen foi o quinto.

"O carro está reagindo de forma diferente. Temos limitações diferentes desta vez. Não estamos quicando na reta, o que é bom, mas ainda bate um pouco nas curvas. Ainda temos que olhar os dados", disse Russell. "Dar um prognóstico pra classificação é complicado, não sabemos como Ferrari e Red Bull realmente estão, mas não há por que não acreditarmos que podemos repetir esse resultado", completou o inglês.

O "porpoising", as quicadas do carro contra o asfalto, é um reflexo do novo Regulamento Técnico da F1 e tornou-se o grande pesadelo da Mercedes neste ano. Semanas atrás, o mesmo Russell declarou que resolver a questão eliminaria "99% dos problemas".

Pouco a pouco, a equipe alemã vem evoluindo. Em Barcelona, apostou numa nova asa traseira e, principalmente, num novo assoalho. Até agora, aparentemente, funcionou.

Não quero me animar. Não quero me animar. Não quero me animar.

Mas torço pra que aconteça.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do publicado inicialmente, a Mercedes é uma equipe alemã. O erro foi corrigido.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL