PUBLICIDADE
Topo

Fábio Seixas

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Mercado de dirigentes da F1 vive dias agitados

Mike Krack, ex-chefe da BMW, que assumirá a chefia da Aston Martin na F1 - BMW
Mike Krack, ex-chefe da BMW, que assumirá a chefia da Aston Martin na F1 Imagem: BMW
Conteúdo exclusivo para assinantes
Fábio Seixas

Fábio Seixas é jornalista com mestrado em Administração Esportiva e passagens por veículos como Folha de S.Paulo, SporTV e TV Globo. Cobriu mais de 170 GPs de F-1, esteve em duas temporadas da Indy e chegou a pilotar um Benetton em Paul Ricard. Voltou para os boxes rebocado.

Colunista do UOL

14/01/2022 16h07

O mercado de pilotos da F1 vive uma calmaria incomum desde 16 de novembro, quando a Alfa Romeo anunciou o chinês Guanyu Zhou e fechou a última vaga do grid para 2022.

Calmaria nos bastidores? Longe disso. Nos últimos dias, o entra-e-sai de dirigentes agitou o noticiário, apresentou novos rostos, redesenhou estruturas. São movimentos que podem ter reflexos diretos nos resultados de pista do campeonato que começa em março.

A primeira peça importante a se mover foi na Aston Martin, que acabou se tornando um dos focos desse vaivém. Não é por acaso. A equipe, que desde 2018 pertence ao bilionário Lawrence Stroll, tem objetivos ambiciosos, mas fechou o Mundial passado com uma grande dose de frustração _foi apenas sétima no Mundial de Construtores, três posições abaixo de 2020.

Na semana passada, a Aston Martin anunciou a saída do engenheiro Otmar Szafnauer, que comandava a equipe desde os tempos em que se chamava Force India. Nesta sexta, foi anunciado seu substituto: Mike Krack. Ele já atuou na F1 pela Sauber, passou pelo programa de endurance da Porsche e desde 2014 era o chefe de esportes a motor da BMW.

otmar - Aston Martin - Aston Martin
Otmar Szafnauer, que deixou a Aston Martin e deve assumir vaga na Alpine
Imagem: Aston Martin

"Para vencer na F1 é preciso reunir os melhores: pilotos, mecânicos, engenheiros. Mike está plenamente preparado para este papel. Ele vai desempenhar um papel central de liderança no time para que possamos atingir nossas ambições", disse Stroll, no comunicado à imprensa.

Krack dedicou boa parte do seu discurso de apresentação a elogiar os pilotos com quem vai trabalhar. Atitude esperta, principalmente quando um deles é filho do dono.

"Estou no automobilismo há 20 anos e trabalhei com Vettel em 2006 e 2007 quando ele era piloto de testes da Sauber. Tenho muito respeito por sua velocidade e por seu talento e estou feliz em voltar a conviver com ele. Lance Stroll é um piloto muito talentoso e veloz, com 100 GPs no currículo. Também estou ansioso para trabalhar mais perto dele", declarou, na nota à imprensa.

A Aston Martin aproveitou a ocasião para anunciar a data de lançamento do seu novo carro, batizado AMR22: 10 de fevereiro. É a primeira equipe a fazer isso, aguardamos as outras nove.

O fim da semana também foi agitado na Alpine.

A equipe francesa anunciou nesta sexta a saída de Marcin Budkowski, seu diretor executivo desde 2017. Neste caso, é até difícil explicar pelos resultados. A equipe conseguiu uma surpreendente vitória em 2020 e fechou o ano numa honrosa quinta colocação no Mundial de Construtores.

Como de praxe, Laurent Rossi, CEO da Alpine, agradeceu o comprometimento e a contribuição do ex-colaborador e fez mistério sobre seu substituto. Mas desde Interlagos já há um zunzunzum forte: Szafnauer é o nome. O anúncio deve acontecer nos próximos dias.