PUBLICIDADE
Topo

Fábio Seixas

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Para Hamilton, largar atrás de Verstappen pode ser melhor

Lewis Hamilton e Max Verstappen batem ao disputar posição no GP da Itália, em Monza, em setembro - Reprodução/F1TV
Lewis Hamilton e Max Verstappen batem ao disputar posição no GP da Itália, em Monza, em setembro Imagem: Reprodução/F1TV
Conteúdo exclusivo para assinantes
Fábio Seixas

Fábio Seixas é jornalista com mestrado em Administração Esportiva e passagens por veículos como Folha de S.Paulo, SporTV e TV Globo. Cobriu mais de 170 GPs de F-1, esteve em duas temporadas da Indy e chegou a pilotar um Benetton em Paul Ricard. Voltou para os boxes rebocado.

Colunista do UOL

08/12/2021 08h23

Era um evento de automobilismo: a apresentação do novo troféu do campeão da Stock Car, que também decide o título no domingo. Conversa vai, conversa vem, é claro que uma hora o assunto desviou para a decisão da F-1, Hamilton x Verstappen, o que aconteceu em Jeddah e o que pode acontecer em Abu Dhabi, como os duelistas vão se comportar.

Foi quando surgiu uma tese que em princípio pode parecer maluca, contrariando a lógica, mas que no fundo faz todo sentido e que já considero como muito provável de ocorrer: Hamilton planejar largar atrás do rival.

Atrás? Mas os dois estão empatados em pontos e Verstappen tem vantagem no primeiro critério de desempate, o número de vitórias (9 a 8).

Para ser campeão, para conquistar seu oitavo título, o inglês não tem outra opção: precisa terminar na frente.

Precisa terminar na frente. Muita atenção à sintaxe. A primeira missão nesta frase é "terminar". É aí, meus amigos, que mora o busílis.

Garantir que Hamilton termine o GP de Abu Dhabi, última etapa do campeonato, no domingo, deve ser a base da estratégia da Mercedes.

jeddah1 - Mark Thompson/Getty Images/Red Bull - Mark Thompson/Getty Images/Red Bull
Lewis Hamilton e Max Verstappen dividem curva na primeira relargada do GP da Arábia Saudita
Imagem: Mark Thompson/Getty Images/Red Bull

Tudo indica que Verstappen vai jogar duro caso encontre Hamilton na pista. Aconteceu em vários momentos neste ano: Imola, Barcelona, Monza, Interlagos... Só em Jeddah, foram três vezes. Caso os dois batam e abandonem, seguirão empatados em pontos e o título será do holandês.

Nesta semana, Jos Verstappen, pai do piloto da Red Bull, chegou a declarar que o filho "fará de tudo" para assegurar o título.

Na internet, circula um vídeo de 2019 em que pilotos da atualidade assistem à largada do GP do Japão de 1990 _na ocasião, Senna bateu em Prost, ambos abandonaram e o brasileiro conquistou o bicampeonato. "Por que não?", diz o holandês para Gasly, então seu companheiro na Red Bull. Está abaixo...

Hamilton vem de duas poles seguidas e as mudanças no circuito de Abu Dhabi devem favorecer a Mercedes.

Em condições normais, é o favorito a largar na ponta do grid. Imagine a aflição do inglês no grid de domingo vendo Verstappen ao seu lado ou na fila imediatamente atrás?

Seria como pintar um alvo na lateral ou na traseira do seu carro, à espera da pancada.

Será inteligente da parte da Mercedes se conseguir evitar esse cenário.

Como? Deixando Verstappen largar na frente e desenhando uma estratégia de ultrapassagem nos boxes, evitando que os dois se encontrem pela pista. Pode ser "undercut", antecipando o pit stop para aproveitar melhor os pneus novos, ou "overcut", retardando o pit para beneficiar-se da pista livre, abrir vantagem e ganhar a posição.

Caso consiga largar atrás e inverter posições nos pits, Hamilton tem carro para sumir na frente da Red Bull, terminar o GP na frente e garantir o título. Pensando neste cenário, pode até pintar uma troca de câmbio ou de motor para o inglês, com a perda de cinco posições no grid...

Faz todo sentido. É a estratégia mais segura.

No sábado, saberemos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL