PUBLICIDADE
Topo

Fábio Seixas

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

FIA rejeita protesto da Red Bull e mantém vitória de Hamilton

Lewis Hamilton, da Mercedes, durante entrevista coletiva nesta quinta-feira, véspera dos primeiros treinos do GP da Hungria - Florion Goga - Pool/Getty Images
Lewis Hamilton, da Mercedes, durante entrevista coletiva nesta quinta-feira, véspera dos primeiros treinos do GP da Hungria Imagem: Florion Goga - Pool/Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Fábio Seixas

Fábio Seixas é jornalista com mestrado em Administração Esportiva e passagens por veículos como Folha de S.Paulo, SporTV e TV Globo. Cobriu mais de 170 GPs de F-1, esteve em duas temporadas da Indy e chegou a pilotar um Benetton em Paul Ricard. Voltou para os boxes rebocado.

Colunista do UOL

29/07/2021 15h16

O protesto da Red Bull deu em nada.

Os comissários do GP da Inglaterra rejeitaram o "elemento novo" apresentado pela equipe, que pedia uma punição mais dura a Hamilton pelo acidente com Verstappen em Silverstone.

Assim, o resultado da prova foi mantido: vitória do inglês e 177 pontos no Mundial, oito a menos que Verstappen.

A audiência virtual para ouvir os argumentos da Red Bull começou às 11h de Brasília e envolveu também representantes da Mercedes. Os comissários foram os mesmos que atuaram na corrida do dia 18: Denis Dean, dos EUA, Nish Shetty, de Singapura, o inglês Eric Cowcill e o italiano Emanuele Pirro, ex-piloto da Benetton e da Scuderia Italia.

A Red Bull havia feito o pedido de revisão amparada no artigo 14 do Código Esportivo Internacional da FIA, que estipula que um resultado pode ser revisto se surgir um "elemento novo e significativo que não estava disponível aos comissários no momento da decisão".

A cartada da equipe era uma sequência de imagens criadas a partir de dados de GPS dos carros, além de uma comparação das manobras de Hamilton sobre Verstappen e sobre Leclerc, na mesma curva Copse.

Nada disso mudou a opinião do quarteto de comissários. Ele consideraram que as imagens não são relevantes o suficiente para alterar a punição imposta a Hamilton na prova: 10 segundos de stop & go.

vestabatida - Reprodução/F1 - Reprodução/F1
Verstappen leva a pior em toque com Hamilton, roda e abandona o GP da Inglaterra
Imagem: Reprodução/F1

Em nota, a Mercedes celebrou o resultado da audiência e aproveitou para cutucar a equipe rival.

"Esperamos que essa decisão marque o final de uma tentativa orquestrada pela alta direção da Red Bull para manchar o bom nome e a integridade esportiva de Lewis Hamilton", escreveu a escuderia alemã.

Protagonistas do acidente e do campeonato, Verstappen e Hamilton ainda não se pronunciaram após o julgamento. Mas antes disso, na chegada ao autódromo de Budapeste, também trocaram farpas pela imprensa.

O holandês reforçou o que escreveu nas redes sociais no domingo de Silverstone: sentiu-se desrespeitado ao ver a Mercedes celebrar a vitória enquanto ele ainda estava passando por exames médicos.

"Um cara estava no hospital e o outro, que o jogou na parede a 51G, estava agitando uma bandeira como se nada tivesse acontecido. Não foi só ele, foi toda a equipe. Isso mostra como eles são", disse Verstappen.

Hamilton rebateu, dizendo que não faria nada diferente. "Em relação à manobra, eu faria exatamente do mesmo jeito", afirmou. "E não acredito que meu comportamento após a prova tenha sido desrespeitoso. Eu ainda não sabia que ele estava no hospital. Era minha corrida de casa, trabalhamos duro por aquele resultado, as emoções estavam lá no alto."