PUBLICIDADE
Topo

Fábio Seixas

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

O dia em que a F-1 correu nas Olimpíadas

Boxes da F-1 montados para o GP Olímpico de Melbourne, durante os Jogos de 1956 - Reprodução
Boxes da F-1 montados para o GP Olímpico de Melbourne, durante os Jogos de 1956 Imagem: Reprodução
Fábio Seixas

Fábio Seixas é jornalista com mestrado em Administração Esportiva e passagens por veículos como Folha de S.Paulo, SporTV e TV Globo. Cobriu mais de 170 GPs de F-1, esteve em duas temporadas da Indy e chegou a pilotar um Benetton em Paul Ricard. Voltou para os boxes rebocado.

Colunista do UOL

22/07/2021 07h58

"Ah, mas automobilismo nem é esporte."

Vira e mexe alguém lança essa para provocar. Normalmente respondo falando sobre a condição física necessária para segurar um carro numa curva de alta velocidade, sobre o preparo mental para aguentar duas horas de GP, sobre o desgaste de trabalhar num cockpit em que a temperatura supera os 50°C. Não por acaso boa parte dos pilotos hoje pratica triatlo.

Em tempos de Tóquio-2020, talvez seja ilustrativo falar também sobre Olimpíadas. Sim, há vários pontos em comum com a F-1. O mais emblemático aconteceu há 65 anos.

Imagine Hamilton e Verstappen circulando entre os atletas em Tóquio e correndo no domingo. Aconteceu algo parecido nos Jogos de Melbourne em 1956, o "GP Olímpico".

Foi uma prova extracampeonato realizada em meio aos Jogos, com alguns dos maiores nomes do automobilismo. E que foi possível graças a uma particularidade australiana.

À época, os domingos eram "dias de descanso" inegociáveis, e isso afetou a programação dos Jogos. Os eventos da 16ª Olimpíada da era moderna foram espalhados por três semanas, sem nada previsto aos domingos. E a F-1 viu aí uma oportunidade de visibilidade.

Em parceria com o comitê organizador dos Jogos, a categoria organizou uma corrida no Albert Park, no coração de Melbourne, para entreter os torcedores e atletas que estavam na Austrália. Havia também um festival de música.

A prova foi batizada de "GP Olímpico" e teve mais sucesso. Os números são muito divergentes e indicam de 100 mil a 200 mil espectadores na corrida, naquele 2 de dezembro. Embora tenha ocorrido no mesmo parque que até hoje abriga a F-1, o circuito era outro: mais curto, em sentido anti-horário.

moss19562 - Reprodução  - Reprodução
Stirling Moss, vencedor do GP Olímpico de 1956, passa por trecho com acidente durante a prova
Imagem: Reprodução

A vitória ficou com Stirling Moss, uma lenda da F-1, ao volante de uma Maserati. Foi seguido por seu companheiro de equipe, o francês Jean Behra, com o inglês Peter Whitehead em terceiro, com uma Ferrari.

E não, eles não levaram medalhas para casa, mas troféus comuns. Faltou alguém bom de marketing na ocasião...

Mas houve outros cruzamentos entre automobilismo e Olimpíadas ao longo dos tempos. Alguns bizarros, outros gloriosos.

A segunda edição dos Jogos da era moderna, Paris-1900, aconteceu como parte da Feira Mundial. Houve 14 eventos automobilísticos junto com os Jogos _até uma corrida de táxis.

Quase um século depois, em Barcelona-1992, uma corrida de F-1 foi rotulada informalmente de "GP Olímpico". A prova aconteceu três meses antes dos Jogos, quando a cidade já respirava Olimpíada, e foi vencida por Nigel Mansell, com a Williams.

Pelo menos sete pilotos de F-1 viveram experiências olímpicas.

O mais bem sucedido deles é o grande herói deste blog: Alessandro Zanardi, que perdeu as pernas num acidente na Indy e, como paratleta, se tornou o maior campeão olímpico do paraciclismo. Soma seis medalhas, sendo quatro de ouro, em duas edições dos Jogos.

Hoje, o italiano se recupera de um acidente que sofreu numa competição na Itália, há pouco mais de um ano. Segundo a família revelou no mês passado, Zanardi está em "estado estável, ainda sem falar, mas passando por treinamentos para o cérebro e para o corpo".

Alfonso de Portago, Príncipe Bira, Robert Mieres, Bob Said, Robin Widdows e Divina Galica completam a lista de ex-pilotos de F-1 que disputaram Jogos de Verão e de Inverno.

Quem passou mais perto de uma medalha foi De Portago, quarto colocado no bobsled nos Jogos de Inverno de Cortina D'Ampezzo, também em 1956.

Sim, ele correu de F-1 e competia de bobsled. Milionário que ostentava título de marquês, o espanhol gostava do perigo. No ano seguinte, morreu quando corria a Mille Miglia e um pneu de sua Ferrari explodiu.

Em 2011, a FIA passou a ser uma entidade esportiva integrante do COI.

Outro GP Olímpico à vista? Quem sabe...