PUBLICIDADE
Topo

Fábio Seixas

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Hamilton dribla punição, dá show e transforma Silverstone em Wembley

Lewis Hamilton ultrapassa Charles Leclerd  a três voltas do final e vence o GP de Silverstone de Fórmula ! - REUTERS/Peter Cziborra
Lewis Hamilton ultrapassa Charles Leclerd a três voltas do final e vence o GP de Silverstone de Fórmula ! Imagem: REUTERS/Peter Cziborra
Fábio Seixas

Fábio Seixas é jornalista com mestrado em Administração Esportiva e passagens por veículos como Folha de S.Paulo, SporTV e TV Globo. Cobriu mais de 170 GPs de F-1, esteve em duas temporadas da Indy e chegou a pilotar um Benetton em Paul Ricard. Voltou para os boxes rebocado.

Colunista do UOL

18/07/2021 13h12

Foi um dos maiores shows de um dos maiores pilotos de todos os tempos.

Largando em segundo lugar, punido injustamente após um acidente na primeira volta, lutando contra uma Ferrari em ótima forma, Hamilton venceu o GP da Inglaterra e fez explodir as arquibancadas de Silverstone.

Sua ultrapassagem decisiva sobre Leclerc, a três voltas da bandeirada, em plena curva Copse, já é das grandes cenas do campeonato.

Torcedores ingleses fizeram em Silverstone a festa que não conseguiram ter em Wembley no domingo passado, na final da Eurocopa.

É a 99ª vitória do inglês na F-1, a quarta na temporada, a oitava em Silverstone.

O resultado incendeia o campeonato, cenário totalmente influenciado pelo que aconteceu nos primeiros metros do GP. A Red Bull terminou a prova sem nenhum piloto na zona de pontos, o que não acontecia desde a prova de Ímola do ano passado.

O início da corrida foi sensacional. Assistimos, neste domingo, à melhor primeira volta do ano, a um show de perícia dos dois rivais pelo título.

Foi de arrepiar, de perder o fôlego, de ficar em pé.

Verstappen e Hamilton largaram muito bem e chegaram juntos à primeira curva. Fizeram oito curvas praticamente lado a lado. Ritmo muito forte, centímetros separando as rodas, automobilismo da melhor qualidade.

hamilvers - Reprodução/F1 - Reprodução/F1
Verstappen leva a pior em toque com Hamilton, roda e abandona
Imagem: Reprodução/F1

Ninguém quis aliviar para ninguém. E, quando isso acontece, há uma certeza: alguém se dá mal.

Desta vez, foi Verstappen. Na curva 9, a Copse, os dois se tocaram. O holandês estava um pouco à frente e, quando guinou à direita para fazer a curva, sua roda traseira direita tocou o bico da Mercedes. Perdeu o controle, claro, e foi voando para a barreira de pneus.

Um choque forte, que deixou o líder do campeonato zonzo e o mandou ao centro médico. Os primeiros relatos indicam desaceleração de 51 G. Brutal.

Na opinião deste blogueiro, foi um clássico acidente de corrida. Passamos anos reclamando da falta de disputa da F-1. Quando acontece um momento épico como este, uma cena que será reprisada por anos e anos, prefiro aplaudir. Automobilismo é sobre isso, buscar os limites. Não é sobre apontar culpados sempre, para tudo.

Mais: Hamilton e Verstappen só fizeram o que fizeram porque se respeitam e confiam muito um no outro. Tanto que, instantes após a batida, o inglês fez questão de entrar pelo rádio para perguntar como estava o rival. Poderia ter sido com ele, Hamilton sabe disso.

Assim que Verstappen escapou da pista, Leclerc aproveitou para pular à frente e assumir a liderança. Logo veio o safety car. E, na sequência, uma bandeira vermelha: era necessário retirar o carro de Verstappen do local do acidente e arrumar a barreira de proteção.

A relargada aconteceu quase 40 minutos depois.

Todo mundo foi mais comportado. Leclerc segurou bem a ponta, Hamilton ficou em segundo, seguido por Norris, Bottas e Ricciardo. Um pouco mais atrás, Vettel rodou na Woodcote e caiu para último.

Foi quando a direção de prova, a cargo da FIA, anunciou a punição a Hamilton: 10 segundos. Castigaram o arrojo. Punição assim faz os pilotos pensarem duas vezes antes de se lançarem numa disputa. Vai contra tudo o que a Liberty vem tentando fazer com a categoria. Paciência...

"A situação mudou com esses 10 segundos. Você vai ter que acelerar agora", disse o engenheiro de Hamilton, pelo rádio.

leclef1 - Dan Istitene - Formula 1/Formula 1 via Getty Images - Dan Istitene - Formula 1/Formula 1 via Getty Images
Leclerc lidera o GP da Inglaterra após a relargada
Imagem: Dan Istitene - Formula 1/Formula 1 via Getty Images

O ideal para ele, claro, seria passar Leclerc e tentar abrir vantagem. Mas a realidade foi bem diferente. O ferrarista tinha um bom ritmo de corrida. Em 10 voltas, abriu 1s6 para o inglês.

Duas voltas depois, um susto. Leclerc entrou no rádio gritando: "Não! Não! Meu motor apagou e voltou de novo. Me digam o que está acontecendo!" Na volta seguinte, a mesma coisa.

Hamilton foi avisado pela Mercedes, apertou o ritmo, tentou encostar na Ferrari. Mas o monegasco retomou a potência e recuperou a folga de 1s6.

Na 19ª volta, Raikkonen, Russell, Vettel e Pérez abriram a janela de pits. Tiraram pneus médios e colocaram os duros para ir até a bandeirada, tática seguida por todos os demais. Ricciardo parou na 21ª. Norris entrou na seguinte, teve problemas na troca da roda traseira direita e perdeu posição para Bottas, que fez seu pit na 23ª.

Hamilton entrou na 28ª. Cumpriu a punição, colocou os pneus duros, voltou à pista em quinto lugar. Sainz entrou na 29ª e viveu um drama na troca da roda dianteira direta. Leclerc, enfim, entrou na 30ª, retornando à pista na ponta do pelotão e reestabelecendo a ordem entre os primeiros colocados.

Na 31ª volta, o monegasco tinha 8s6 sobre Bottas. Hamilton pisou fundo e passou Norris exatamente na Copse, onde bateu com Verstappen e onde a Red Bull argumentou que ninguém passava ninguém. "Ótima manobra", ouviu pelo rádio. Sem mais.

Sem a McLaren à sua frente, Hamilton passou a ter apenas Bottas entre ele e Leclerc. Ficou claro o que aconteceria. E aconteceu na 41ª, na Stowe. O finlandês, claro, não dificultou.

A questão é que, àquela altura, Leclerc já tinha quase 9 segundos de vantagem. Daria para Hamilton? Deu. O inglês foi impecável nas últimas voltas, trabalhando como um robô, obcecado para alcançar o monegasco.

Na 50ª das 52 voltas, chegou. E mais uma vez, como que para dar um recado, fez a ultrapassagem na Copse.

hamtrofeu - Joe Portlock/Formula 1 via Getty Images - Joe Portlock/Formula 1 via Getty Images
Hamilton celebra sua vitória no GP da Inglaterra, a 99ª de sua carreira na F-1
Imagem: Joe Portlock/Formula 1 via Getty Images

Cruzou a linha de chegada em primeiro, apanhou uma bandeira britânica e fez uma volta de desaceleração diante de arquibancadas emocionadas.

Leclerc cruzou em segundo, com Bottas completando o pódio.

Com o resultado, Hamilton diminui para 8 pontos a desvantagem para Verstappen no campeonato: 185 a 177.

Pode ser momentâneo. Provavelmente é circunstancial. Sabemos, lá no fundo, que a Red Bull continua com o melhor carro da F-1 e que Verstappen é o favorito ao título.

Mas foi bonito, foi emocionante. E esporte, ainda bem, não é só razão.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL