PUBLICIDADE
Topo

Fábio Seixas

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Nos bastidores, Red Bull dá duro golpe na Mercedes

 Ben Hodgkinson, engenheiro que deixa a Mercedes para se juntar à Red Bull - Reprodução/Twitter
Ben Hodgkinson, engenheiro que deixa a Mercedes para se juntar à Red Bull Imagem: Reprodução/Twitter
Fábio Seixas

Fábio Seixas é jornalista com mestrado em Administração Esportiva e passagens por veículos como Folha de S.Paulo, SporTV e TV Globo. Cobriu mais de 170 GPs de F-1, esteve em duas temporadas da Indy e chegou a pilotar um Benetton em Paul Ricard. Voltou para os boxes rebocado.

Colunista do UOL

23/04/2021 10h51

A luta pelo Mundial de F-1 não acontece apenas nas pistas. Está agitada também nos bastidores. E a Red Bull acaba de dar um belo golpe na Mercedes.

A equipe austríaca anunciou nesta sexta-feira a contratação de Ben Hodgkinson, engenheiro inglês que ocupava posição-chave na sua maior rival.

Hodgkinson estava na Mercedes havia 20 anos e desde 2017 era o chefe da divisão de motores para a F-1. Na nova casa, terá função semelhante.

Com a despedida da Honda da F-1 já anunciada para o fim da temporada, a Red Bull teve que se mexer. A partir de 2022, passará a fabricar e desenvolver transmissão e motor. Para isso, construiu um moderno prédio em Milton Keynes, perto de sua sede. E escolheu para comandá-la o homem que mais conhece os segredos da equipe que arrebatou os últimos sete Mundiais de Construtores.

Ainda não está certo quando Hodgkinson assumirá o novo posto, já que seu contrato com os alemães prevê uma "quarentena" após a rescisão.

Na Red Bull, claro, o clima é de quem acabou de encurralar o adversário.

"Estamos muito felizes em receber Ben como nosso diretor técnico. Ele é comprovadamente um vencedor, alguém capaz de liderar uma equipe de engenheiros muito capazes e chega para trabalhar em um projeto excitante", disse Christian Horner, chefe da equipe.

No comunicado emitido pelo time, Hodgkinson afirma que a "Red Bull é uma competidora séria, nossa grande rival na era dos motores híbridos, então não vejo a hora de poder fazer parte dessa nova fase da equipe".

A Mercedes até agora não se manifestou. Talvez porque ainda esteja assimilando a pancada.