PUBLICIDADE
Topo

Fábio Seixas

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Em Imola, F-1 deve anunciar planos para "corridas curtas"

Grid da Fórmula 1 na largada para o GP da Rússia do ano passado - Mario Renzi - Formula 1/via Getty Images
Grid da Fórmula 1 na largada para o GP da Rússia do ano passado Imagem: Mario Renzi - Formula 1/via Getty Images
Fábio Seixas

Fábio Seixas é jornalista com mestrado em Administração Esportiva e passagens por veículos como Folha de S.Paulo, SporTV e TV Globo. Cobriu mais de 170 GPs de F-1, esteve em duas temporadas da Indy e chegou a pilotar um Benetton em Paul Ricard. Voltou para os boxes rebocado.

Colunista do UOL

07/04/2021 04h00

O circuito de Imola, que em 9 dias recebe os primeiros treinos para o GP da Emilia Romagna, deve ser palco de um anúncio bastante aguardado pela F-1.

CEO da categoria, o italiano Stefano Domenicali pretende finalizar nos próximos dias detalhes do formato das "sprint races", que será apresentado às equipes para votação.

O plano é substituir o tradicional treino classificatório, aos sábados, por corridas curtas, de 100 km. O resultado dessa prova definirá o grid de largada para o GP do dia seguinte.

A ideia da Liberty, que há pouco mais de 4 anos assumiu a gestão comercial da F-1, é melhorar a "experiência dos finais de semana" da categoria, tornando-os mais atrativos para o público.

O conceito foi apresentado à Comissão de F-1 em fevereiro, prevendo testes em três etapas desta temporada: Montreal, Monza e Interlagos. Dúvidas das equipes sobre custos, logística e premiação, porém, forçaram FIA e Liberty a voltar para planilhas e rascunhos.

Red Bull e Mercedes, por exemplo, defendem que o projeto é inviável diante do novo teto de gastos da F-1 —uma novidade no regulamento deste ano. Pode ser coincidência, claro. Pode ser sincero. Mas parece ser a brecha que as duas equipes esperavam para pode gastar à vontade, na luta pelo campeonato.

Para ser aprovada, a mudança precisa de 28 dos 30 votos da Comissão —Liberty, FIA e as equipes têm 10 votos cada. Na prática, portanto, o projeto precisa do sinal verde de 8 dos 10 times do grid. Como, por ora, o que está em discussão são apenas testes, Domenicali está confiante na aprovação.

"Estamos finalizando os detalhes e esperamos mostrar tudo para as equipes em Imola", disse o ex-dirigente da Ferrari em entrevista à RAI Rádio 1.

"O que queremos testar são finais de semana mais intensos. A sexta-feira terá uma hora de treino livre e uma hora de classificação para definir o grid da sprint race, que por sua vez definirá o grid para o GP de domingo", completou.

Embora ele não tenha revelado as alterações em relação ao projeto original, uma mudança já é dada como certa: sai Montreal, em junho, entra Silverstone, no mês seguinte.