PUBLICIDADE
Topo

Diogo Silva

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Ketleyn Quadros como porta-bandeira mostra a força das lutas e das mulheres

Ketleyn Quadros celebra sua medalha de bronze em Pequim - Paul Gilham/Getty Images
Ketleyn Quadros celebra sua medalha de bronze em Pequim Imagem: Paul Gilham/Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Diogo Silva

Diogo Silva foi campeão mundial universitário, medalhista de ouro dos Jogos Pan-Americanos e participou dos Jogos Olímpicos de Atenas-2004 e Londres-2012 no taekwondo. Hoje, faz parte do grupo de rap Senzala Hi-Tech.

21/07/2021 04h00

De 1920 a 2020, o Brasil esteve presente em todas as edições olímpicas. É um século de representatividade esportiva. Porém essa é a primeira edição que teremos uma mulher negra como porta-bandeira.

A escolhida foi a judoca Ketleyn Quadros, que já tinha sido um marco em 2008, na Olimpíada de Pequim, China, por ter sido a primeira brasileira a conquistar uma medalha olímpica (bronze) em esportes individuais. Depois de 13 anos, Ketleyn retorna aos jogos e recebe a honra de ser a porta-bandeira brasileira, mostrando a força dos esportes de lutas e das mulheres.

Ketleyn que é natural de Ceilândia, uma grande periferia de Brasília, iniciou no judô em projetos sociais. Com uma carreira brilhante, é adorada por suas companheiras de treino e faz parte de uma geração extremamente vitoriosa do judô feminino.

Carregar a bandeira do país na abertura de uma olimpíada é uma escolha feita a dedo. Os eleitos para a missão precisam ter uma história de destaque para receber esse presente.

A primeira mulher a carregar uma bandeira do Brasil durante um desfile olímpico foi Sandra Pires, campeã olímpica do vôlei de praia, durante a edição de Sidney, Austrália, no ano 2000. Foi uma longa jornada até as mulheres conquistarem esse direito.

Até hoje, apenas Sandra e Yane Marques, do pentatlo moderno, tiveram essa glória. Agora, Ketleyn Quadros entra para esse seleto grupo.

O desfile é um momento mágico, no qual são anunciadas para o mundo as delegações dos países participantes da competição, seus uniformes, suas cores e seus representantes.

Nós, atletas, temos um respeito muito grande por esse momento.

Yane Marques, do pentatlo moderno, liderou a delegação do Time Brasil no Maracanã. Ela ficou com o bronze na Olimpíada de 2012 - WILLIAM VOLCOV/PHOTO PRESS - WILLIAM VOLCOV/PHOTO PRESS
Yane Marques, do pentatlo moderno, liderou a delegação do Time Brasil no Maracanã, na Rio-2016
Imagem: WILLIAM VOLCOV/PHOTO PRESS

Carregar a bandeira é, fazendo um paralelo com o carnaval, levar o brasão das escolas de samba, como um sinônimo do símbolo máximo dos barracões e das comunidades. A figura do porta-bandeira tem suas origens no militarismo e poderia simbolizar a paz em tempos de guerra.

O desfile é quando os familiares e amigos dos atletas procuram no meio daquele mar de gente uniformizada seu símbolo de orgulho e apontam para televisão aos gritos dizendo: "Aquela é minha filha!".

É nesse momento que os pais choram, que a saudade aperta e o sorriso escorrega pelo rosto por entender o tão longe aquela pessoa conseguiu chegar.

O desfile também tem seu lado negativo, é extremamente cansativo. E esse é um dos motivos que fazem alguns atletas desistirem. Alguns competidores, principalmente os lutadores, podem estar fazendo o corte de peso e não aguentam a maratona. Outros atletas, sobretudo os de modalidades individuais, vão competir no dia seguinte e preferem se poupar.

O processo do desfile envolve horas de espera em ambientes muitas vezes desconfortáveis. A fome é acalmada, com kit lanche, insuficiente para alguns amigos que mandam aquele baião de dois no almoço.

A roupa é especial para a ocasião. e o que pega muitas vezes é o sapato. Calçado novo é sempre um problema. Às vezes, o par chega no tamanho errado e fica grande ou apertado no pé. Então pensem em horas de espera com o sapato dessa forma naquele pé de atleta, que não é bem o padrão da sociedade.

Já foram porta-bandeira do Brasil ícones como Ademar Ferreira da Silva, o primeiro bicampeão olímpico no salto triplo e criador da volta olímpica, em 1960, em Roma; João Carlos de Oliveira, o João do Pulo, dono de dois bronzes olímpicos no salto triplo e tetracampeão dos Jogos Panamericanos, carregou a bandeira da delegação brasileira, em Montreal-1976, Canada, e em Moscou—1980, na Rússia. Em 2016 nos jogos do Brasil, Yane Marques foi a felizarda. Ela foi a primeira atleta do Pentatlo Moderno a conquistar uma medalha olímpica em Londres 2012.

A equiparação de gênero vem sendo um marco na nova gestão do Comitê Olímpico. Mas ainda está é novidade a questão de gênero e raça, dando as mesmas oportunidades para homens e mulheres negras.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL