PUBLICIDADE
Topo

Diego Garcia

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ana Paula Henkel vai à Justiça contra Globo e Casagrande e pede R$ 100 mil

Ana Paula Henkel ingressou com novo processo na Justiça contra a TV Globo e o comentarista Walter Casagrande Júnior - Reprodução/Youtube
Ana Paula Henkel ingressou com novo processo na Justiça contra a TV Globo e o comentarista Walter Casagrande Júnior Imagem: Reprodução/Youtube

Diego Silva Garcia

Colunista do UOL

13/05/2022 04h00

A ex-jogadora de vôlei Ana Paula Henkel ingressou com novo processo na Justiça contra a TV Globo e o comentarista Walter Casagrande Júnior. Quase um ano após conseguir o direito de resposta por texto veiculado na coluna de Casão, ela agora quer indenização de R$ 100 mil.

No processo, aberto em 11 de abril, Ana Paula pede R$ 50 mil de Casagrande e R$ 50 mil da Globo por danos morais devido à publicação feita pelo ex-jogador do Corinthians. A ex-jogadora de vôlei e hoje comentarista da Rádio Jovem Pan diz que as alegações de Casão tinham a intenção de ofendê-la.

Henkel, que é ferrenha apoiadora do presidente Jair Bolsonaro —Casagrande é ideologicamente de esquerda—, afirma que busca uma "reparação pelo dano sofrido" com o texto publicado na Globo, o que ela definiu como "ofensas à sua imagem e honra", além de "humilhação" que causou "sofrimento e dor".

A confusão começou em fevereiro do ano passado, quando Casão se referiu a Ana Paula como "defensora dos violentos, dos antidemocráticos, das armas e de tudo que é ruim em nossa sociedade".

A publicação foi feita no blog do ex-jogador no GE. No texto, direcionado a atletas, o ex-jogador pede "desculpas por ter posto no meio de vocês [atletas], e por muito tempo, uma pessoa intragável, prepotente, arrogante, defensora de armas, que se disfarçou de jogadora de vôlei".

O advogado Gustavo Sampaio I. Cosenza, que representa Casagrande há 10 anos, por meio do Escritório Jurídico Cosenza, onde tem como sócio Vagner A. Cosenza, afirmou que Casagrande ainda não foi citado no processo e apresentará defesa assim que intimado.

"Mas, por uma análise simples do conteúdo da inicial, verificamos que trata-se de um fato que ocorreu há um ano e três meses, uma reportagem onde o jornalista comentou um assunto notório nos limites da liberdade de expressão constitucionalmente garantida, e proferiu a sua opinião dentro do exercício de sua profissão", disse Gustavo Cosenza.

"Pela data pretérita e os fatos narrados, não vejo extensão do alegado dano moral, e assim não há o que se falar em responsabilidade de indenizar por parte do Casagrande", acrescentou o advogado.

A Globo não respondeu ao contato da coluna. A reportagem será atualizada caso a emissora queira comentar o processo.