PUBLICIDADE
Topo

Diego Garcia

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Empresa pede na Justiça para Santos exibir documentos de venda de Pituca

Pituca comemora gol do Santos pela Libertadores; jogador foi vendido para o Kashima Antlers - Sebastiao Moreira-Pool/Getty Images
Pituca comemora gol do Santos pela Libertadores; jogador foi vendido para o Kashima Antlers Imagem: Sebastiao Moreira-Pool/Getty Images
Diego Garcia

Repórter desde 2010, passou por Folha de S. Paulo, ESPN, Terra e Placar. Ganhou dois prêmios Aceesp (2014 e 2016) e foi indicado aos prêmios Comunique-se (2019), República (2017, 2018 e 2021), Folha (2018 e 2019) e Fenacor (2020). Cobriu Copa do Mundo, Olimpíadas, Mundial de Clubes e outros grandes eventos. Contato: garciadiegosilva@gmail.com

com Thiago Braga, colaboração para o UOL

20/10/2021 04h00

A empresa Casa Soccer foi à Justiça na última sexta-feira (15) para ter acesso aos documentos da venda de Diego Pituca, que deixou o Santos no começo do ano para defender o Kashima Antlers, do Japão.

A firma de intermediação de jogadores alega ter emprestado R$ 500 mil ao clube em junho de 2017, quando o Santos acertou a contratação de Pituca junto ao Botafogo de Ribeirão Preto.

Na ocasião, a Casa Soccer diz ter acordado com o clube alvinegro uma comissão de 10% de uma eventual venda futura de Pituca por parte do Santos, mas o valor não teria sido pago.

A empresa diz ter tentado contato com os atuais dirigentes do Santos para resolver a situação, sem sucesso, o que a levou a ajuizar a ação de exibição de documentos.

A Casa Soccer deseja ter acesso ao contrato de intermediação assinado com o clube, a rescisão de trabalho de Pituca, o contrato de transferência ao Kashima e outros eventuais documentos nacionais e internacionais relativos à transação.

Pituca deixou o Santos por cerca de US$ 1,6 milhão (R$ 8,2 milhões, à época). Assim, com as correções monetárias e os honorários advocatícios, a empresa poderia ter direito a cerca de R$ 1 milhão,caso entenda que deve cobrar os valores na Justiça.

O Santos ainda não foi notificado da ação, mas afirmou que não iria comentar.