PUBLICIDADE
Topo

Diego Garcia

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Justiça de SP concede adicional noturno em salários de jogadores de futebol

Felipe Melo é advertido com cartão amarelo durante jogo Palmeiras e Inter - Ettore Chiereguini/AGIF
Felipe Melo é advertido com cartão amarelo durante jogo Palmeiras e Inter Imagem: Ettore Chiereguini/AGIF
Diego Garcia

Repórter desde 2010, passou por Folha de S. Paulo, ESPN, Terra e Placar. Ganhou dois prêmios Aceesp (2014 e 2016) e foi indicado aos prêmios Comunique-se (2019), República (2017, 2018 e 2021), Folha (2018 e 2019) e Fenacor (2020). Cobriu Copa do Mundo, Olimpíadas, Mundial de Clubes e outros grandes eventos. Contato: garciadiegosilva@gmail.com

com Thiago Braga, colaboração para o UOL

18/10/2021 04h00

A Justiça do Trabalho de São Paulo reconheceu o direito ao adicional noturno de 20% na remuneração dos jogadores de futebol, em ação de dissídio aberta pelo sindicato da categoria. Os valores são referentes aos anos de 2017 e 2018. Ainda cabe recurso por parte dos clubes na ação, que corre no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, em São Paulo.

Auxílio acidente, auxílio funeral, seguro de vida e um vale alimentação de R$ 22 por refeição — caso o clube não forneça alimentação em sua sede — foram outros pedidos acatados pelo tribunal.

Um adicional de 50% nas duas primeiras semanas e 100% nas seguintes foi incluído no dissídio em caso de prestação de horas extras durante a semana contratual. "Folgas e feriados laborados, sem a devida folga compensatória, são devidos com o adicional de 100%", diz a decisão da Justiça.

Entre os pedidos aceitos ainda estão a proibição de contratos de gaveta — com data de admissão futura —, um intervalo de 66 horas entre partidas oficiais e férias coletivas. A possibilidade de perda de pontos aos times paulistas que não pagarem salários em dia também foi aceita, assim como multa diária de 0,5% sobre o salário contratual.