PUBLICIDADE
Topo

Diego Garcia

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Justiça ameaça Santos de busca e apreensão por documentos de Veríssimo

Lucas Veríssimo durante jogo do Benfica em 25 de julho de 2021 - Gualter Fatia/Getty Images
Lucas Veríssimo durante jogo do Benfica em 25 de julho de 2021 Imagem: Gualter Fatia/Getty Images
Diego Garcia

Repórter desde 2010, passou por Folha de S. Paulo, ESPN, Terra e Placar. Ganhou dois prêmios Aceesp (2014 e 2016) e foi indicado aos prêmios Comunique-se (2019), República (2017, 2018 e 2021), Folha (2018 e 2019) e Fenacor (2020). Cobriu Copa do Mundo, Olimpíadas, Mundial de Clubes e outros grandes eventos. Contato: garciadiegosilva@gmail.com

Colunista do UOL

07/10/2021 04h00

O juiz Dario Gayoso Júnior, da 8ª Vara Civel de Santos, considerou ilegítima a recusa do Santos em exibir todos os documentos da venda de Lucas Veríssimo ao Benfica, apos o clube não cumprir decisão judicial anterior que determinava a apresentação da papelada.

Então, em decisão publicada nesta quarta-feira (6), o juiz afirmou que, caso o Santos não exiba os documentos faltantes em até cinco dias, seja expedido mandado de busca e apreensão a ser cumprido por um oficial de Justiça na sede do clube.

O time alvinegro já havia sido intimado pelo juiz a apresentar toda a documentação sobre a transferência de Lucas Veríssimo ao Benfica, mas enviou apenas um dos oito documentos exigidos pela NBK, empresa que abriu um requerimento de produção antecipada de provas contra o clube.

O fato fez a empresa enviar nova petição à Justiça, pedindo mais uma vez que o clube seja intimado a exibir os documentos solicitados. A NBK alega ter um acordo prometendo o pagamento de 60% de uma futura venda do jogador, por serviços de assessoria e intermediação do atleta em 2013.

O único documento apresentado pelo Santos no processo foi um contrato de trabalho de 2013, ano que o jogador chegou à Vila Belmiro.

Entre os demais documentos solicitados pela NBK no processo estão um termo de rescisão do contrato de trabalho, mas o clube disse que não poderia mostrar, pois o instrumento foi cumprido até fevereiro de 2015, apesar de o atleta ter permanecido no clube até 2021.