PUBLICIDADE
Topo

Diego Garcia

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Vexame na Libertadores completa pior semestre da história do Santos

Diego Garcia

Repórter desde 2010, passou por Folha de S. Paulo, ESPN, Terra e Placar. Ganhou dois prêmios Aceesp (2014 e 2016) e foi indicado aos prêmios Comunique-se (2019), República (2017, 2018 e 2021), Folha (2018 e 2019) e Fenacor (2020). Cobriu Copa do Mundo, Olimpíadas, Mundial de Clubes e outros grandes eventos. Contato: garciadiegosilva@gmail.com

Colunista do UOL

26/05/2021 22h58

A eliminação precoce na Copa Libertadores veio para encerrar aquele que pode ser considerado o pior semestre da história do Santos, ao menos da recente. Além do vexame no torneio continental, o time da Vila Belmiro ainda perdeu a decisão da Libertadores 2020 para o arquirrival Palmeiras e quase foi rebaixado no Campeonato Paulista pela primeira vez.

O Santos precisava de um milagre para se classificar na Libertadores: tinha que derrotar o Barcelona em Guayaquil - tarefa normal - e torcer para o Boca Juniors não vencer o The Strongest, na Bombonera - tarefa impossível. Se dependesse 100 vezes dessa combinação, o time brasileiro poderia até vencer várias vezes no Equador, mas a chance de o horrível time boliviano não perder fora da altitude é quase zero.

No fim das contas, a equipe brasileira teve atuação muito ruim, deixando o Barcelona jogar como quis, com a defesa totalmente aberta. Uma catástrofe, que acabou com justa derrota por 3 a 1. O Santos não fez a sua parte e, obviamente, o The Strongest foi amassado pelo Boca por 3 a 0.

A vitória santista, diante dessas condições, não teria feito diferença na tabela de classificação. Mas foi outra derrota (2 a 0) para o mesmo Barcelona, na estreia, na Vila Belmiro, que culminou com o desfecho negativo no torneio. Uma vitória em casa no começo do torneio e o destino do Santos poderia ser outro.

A queda ainda na fase de grupos da Libertadores é doída para o torcedor santista. Em 15 participações anteriores na competição, só em uma o clube tricampeão da América caiu de forma tão precoce. Foi em 1984. Mas, naquele ano, pelo menos o clube venceu o Campeonato Paulista - foi o último título antes da fila de 18 anos.

O Santos é um clube que quase sempre chega nas finais da Libertadores. A pior campanha depois de 1984 foi em 2018, eliminado nas oitavas pelo Independiente, mesmo assim com polêmica, já que foi o ano em que o clube acabou punido pela escalação irregular de Sánchez e perdeu por 3 a 0 partida que originalmente havia empatado.

Mas, em 2021, a escrita mudou. E o terceiro lugar na chave rendeu ao Santos vaga na segunda competição continental mais importante, a Copa Sul-Americana.

Esta será a sétima participação do Santos na Sul-Americana. A equipe esteve em quatro edições consecutivas, entre 2003 e 2006, retornou em 2010 e depois só em 2019. As melhores campanhas ocorreram em 2003 e 2004, queda nas quartas de final para Cienciano (PER) e LDU (EQU), respectivamente.

Antes disso, o Santos venceu a Copa Conmebol, torneio que antecedeu a Sul-Americana, em 1998. Na ocasião, derrotou o Rosário Central na decisão.

O semestre ainda teve outra marca negativa. Clube que se orgulha de nunca ter disputado a segunda divisão, o Santos quase mudou essa escrita em 2021. O time alvinegro foi para a última rodada contra o São Bento sem poder perder, pois seria rebaixado. Mas venceu por 2 a 0 e seguiu na elite do estado.

A campanha do Santos - 13º colocado na classificação geral - é a pior da história do clube no Campeonato Paulista. Igualou a participação de 1976, quando ainda sofria pela saída de Pelé, no ano anterior. Hoje em dia, o clube pena por más administrações anteriores, dívidas e até a ausência de público na Vila Belmiro, por causa da pandemia de Covid-19.

O Santos havia entrado em 2021 em meio às semifinais da Libertadores do ano passado, graças aos adiamentos causados pela pandemia de Covid-19. E, em 13 de janeiro, eliminou o poderoso Boca Juniors. Mas perdeu a decisão para o rival Palmeiras no fim do mês, com um dolorido gol sofrido aos 48 do segundo tempo.

Vale lembrar que o Santos também teve um ano ruim em 2008, quando encerrou o Brasileiro a um ponto da zona do rebaixamento. Ainda ficou fora da semifinal do Paulista, quando acabou em sétimo. E chegou nas quartas da Libertadores - caiu para o América do México. Portanto, por enquanto, a temporada atual vem sendo pior.

Agora, o Santos começa o último mês do primeiro semestre de 2021 focando as atenções para o início do Brasileiro. No sábado, enfrenta o Bahia, fora de casa. Depois, na terça, disputa a terceira rodada da Copa do Brasil, contra o Cianorte. E ainda terá sua participação colocada nas oitavas da Sul-Americana. Todos os torneios encerram no fim do ano.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL