PUBLICIDADE
Topo

Diego Garcia

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Fagner é decisivo em jogo 400 pelo Corinthians

Fagner comemora gol marcado pelo Corinthians contra a Inter de Limeira nas quartas de final do Paulistão - Marcello Zambrana/AGIF
Fagner comemora gol marcado pelo Corinthians contra a Inter de Limeira nas quartas de final do Paulistão Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Diego Garcia

Repórter desde 2010, passou por Folha de S. Paulo, ESPN, Terra e Placar. Ganhou dois prêmios Aceesp (2014 e 2016) e foi indicado aos prêmios Comunique-se (2019), República (2017, 2018 e 2021), Folha (2018 e 2019) e Fenacor (2020). Cobriu Copa do Mundo, Olimpíadas, Mundial de Clubes e outros grandes eventos. Contato: garciadiegosilva@gmail.com

Colunista do UOL

11/05/2021 17h54

Com 30 segundos de jogo, Fagner desarmou sua 1ª bola na ala direita do campo de ataque do Corinthians. Aos 8, já tinha cruzado a bola 3 vezes na defesa da Inter de Limeira. Aos 9, invadiu a área e abriu o placar. Foi o 12º gol do número 23. Exatos 7 anos depois de marcar o primeiro, também em um 11 de maio, contra o São Paulo. São também 51 assistências, o 8º no ranking histórico do clube. Tudo isso em 400 jogos completados nesta terça, o 19º que mais vestiu a camisa do clube.

Os números de Fagner pelo Corinthians estão por trás de um jogador cada vez mais importante na equipe. Titular absoluto desde que voltou ao clube, em 2014, chegou a 193 vitórias contra a Inter de Limeira, com 57,4% de aproveitamento. Nesta terça, venceu por 4 a 1 e foi decisivo. Com liberdade maior apoiado por três zagueiros, ataca com mais intensidade, o que faz muito bem. Aos 2 do segundo tempo, por exemplo, fez as vezes de centroavante ao receber na área. Puxou para o lado e cruzou, mas Ramiro não aproveitou.

O Corinthians parece mais à vontade com o novo esquema de Mancini, adotado deste o clássico contra o São Paulo. Luan vem se mostrando melhor desde então, mas ainda comete erros. Aos poucos, vai ganhando confiança. Foi dele a assistência para o segundo gol, de Jemerson, aos 13. O camisa 7 também fez um, ainda no primeiro tempo, mas a bandeirinha anulou e o VAR não conseguiu identificar se a bola de fato saiu. Nenhuma das imagens da televisão mostrou o que a arbitragem alegou.

O time da casa bobeu depois do segundo gol. A Inter diminuiu e passou a pressionar. Mas de novo Fagner apareceu. Com a vontade de sempre, cortou com tudo uma bola na área do Corinthians, aos 24 minutos. Dois minutos depois, já estava no ataque recebendo ótimo passe de Luan e quase fazendo o terceiro. E, aos 32, cobrou ótimo escanteio na área, João Victor subiu para cabecear e desviou para Jemerson, artilheiro da tarde, fazer o terceiro. Raul fez o quarto, nos acréscimos.

O Corinthians parece estar em crescimento com os três zagueiros de Mancini, mas ainda perde chances claras de gol e complica partidas fáceis. Na quinta-feira, tem teste de fogo contra o Peñarol, no Uruguai, sem espaço para erros. Depois, provavelmente no fim de semana, pega Bragantino ou Palmeiras, pela semifinal do Paulista. Em ambos, ou ganha ou está fora da Sul-Americana e do Paulista.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL