Danilo Lavieri

Danilo Lavieri

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

Palmeiras domina Atlético-MG, faz jogo do ano e prova que gosta do caos

O Palmeiras não gosta de calmaria, não sabe agir quando tudo está favorável e prefere o caos. Hoje, contra o Atlético-MG, em plena Arena MRV, o time fez o seu melhor jogo do ano que faz todo mundo esquecer a novela de Dudu. O placar foi o de 4 a 0, mas poderia ter sido mais pelos gols desperdiçados tanto no primeiro tempo quanto no segundo.

É a segunda partida boa consecutiva de uma equipe de Abel Ferreira que praticamente não jogou bem em 2024, mesmo tendo sido campeão do Paulista e líder do seu grupo na Libertadores. Depois de vencer o Vasco dominando quase todo o jogo, agora, foi bastante superior contra um adversário bem melhor e que dificilmente vai perder atuando na sua casa neste ano.

É verdade que a expulsão de Hulk facilitou as coisas, mas o Verdão já estava jogando muito bem antes disso e já tinha até saído à frente com belo gol de Aníbal Moreno e uma partida notável de Murilo. E olha que uma das principais críticas a esse time é de não jogar nada no 1º tempo.

Também é verdade que o Atlético-MG tinha desfalques por causa da Copa América, mas a mesma coisa acontece com o Verdão, que não tinha Gustavo Gómez, Richard Ríos e também Endrick. Sim, ele já está vendido para o Real Madrid, mas sairia só no mês que vem se a competição de seleções não existisse.

Depois de abrir 1 a 0, o Palmeiras continuou dominando as ações e, por incrível que pareça, cedeu mais chances quando esteve com um a mais do que antes da expulsão. Depois, perdeu um caminhão de gols com Rony e Estevão no contra-ataque. O garoto compensaria no segundo tempo com um golaço para sacramentar a vitória.

E olha que nem falei do assunto que dominou todo o noticiário palmeirense dos últimos dias. A melhor atuação do ano vem na esteira de dias conturbados na Academia de Futebol com o fica ou não fica de Dudu. Hoje, Leila Pereira pediu a sua saída ao vivo em rede nacional, o atacante bateu o pé e disse que ia ficar e a dúvida era de como isso ia abalar o vestiário. Pelo jeito, não abalou. Ou então motivou.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Deixe seu comentário

Só para assinantes