PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Danilo Lavieri

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Fla, Flu e mais 5 fecham Brasileiro com prejuízo em bilheteria; Galo é 1º

Jogadores do Flamengo tiram selfie ao marcar contra o Ceará, no Maracanã - Reprodução/ge
Jogadores do Flamengo tiram selfie ao marcar contra o Ceará, no Maracanã Imagem: Reprodução/ge
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

14/12/2021 11h00

O retorno do público não foi o suficiente para sete times fecharem o Campeonato Brasileiro com lucro na venda de ingressos. Flamengo, Fluminense, Atlético-GO, Chapecoense, Santos, Red Bull Bragantino e América-MG deixaram o Nacional com prejuízo na bilheteria.

O destaque negativo fica por conta do Tricolor das Laranjeiras. São mais de R$ 4 milhões no vermelho neste item, ainda sem considerar o jogo contra a Chapecoense porque a FERJ (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) ainda não enviou o borderô à CBF.

O alto custo do Maracanã é responsável direto por esse fracasso. Em alguns casos, para abrir os portões do estádio esses times pagam mais de R$ 1 milhão. O Flamengo era outro que seguia o mesmo caminho, mas bons públicos com Corinthians e Ceará ajudaram a equipe rubro-negra a ter um prejuízo menor.

Por outro lado, outros times conseguiram terminar o Brasileirão no azul com a venda de ingressos, ainda que com poucos jogos com portões abertos. O maior destaque deles é o Atlético-MG, que ultrapassou a marca de R$ 21 milhões de receita líquida, ou seja, já descontando os custos do Mineirão.

O Grêmio só não melhorou seus indicadores porque precisou cumprir punição pela invasão de campo e ficou ao menos em três jogos com os portões fechados enquanto seus concorrentes podiam abrir. O Palmeiras também perdeu um pouco de dinheiro na última rodada ao mandar o jogo contra o Ceará na Arena Barueri.

O blog fez o acompanhamento constante dos borderôs enviados pelas federações locais à CBF e não considera o Sport neste levantamento porque o time de Recife não envia os dados completos.

Confira o ranking completo da receita líquida dos times

  1. Atlético-MG: R$ 21.403.077,40
  2. Corinthians: R$ 7.917.297,47
  3. São Paulo: R$ 4.661.746,28
  4. Internacional: R$ 3.367.344,16
  5. Palmeiras: R$ 3.061.704,66
  6. Grêmio: R$ 1.330.967,74
  7. Cuiabá: R$ 1.230.390,41
  8. Fortaleza: R$ 868.591,47
  9. Bahia: R$ 305.182,45
  10. Athletico: R$ 207.063,48
  11. Juventude: R$ 135.996,61
  12. Ceará: R$ 72.250,44
  13. Atlético-GO: -R$ 109.266,07
  14. Flamengo: -R$ 323.983,95
  15. Chapecoense: -R$ 577.287,00
  16. Santos: -R$ 746.851,84
  17. Red Bull Bragantino: -R$ 855.111,51
  18. América-MG; -R$ 976.069,42
  19. Fluminense: -R$ 4.187.379,98*
    *Sem os dados do jogo contra a Chapecoense

Siga também as opiniões de Danilo Lavieri no Twitter e no Instagram