PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Lavieri: Corinthians joga pelo G-4, mas Sylvinho não tem paz. Faz sentido?

Sylvinho foi bastante criticado na derrota do Corinthians para o Flamengo - Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Sylvinho foi bastante criticado na derrota do Corinthians para o Flamengo Imagem: Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

21/11/2021 04h00

O Corinthians entra em campo hoje (21) para jogar o clássico contra o Santos com a chance de entrar no G-4 do Campeonato Brasileiro. Para isso, o time "só" precisa vencer, já que o Red Bull Bragantino não entra em campo pelo Brasileirão. Mesmo com a vaga entre os melhores do país, Sylvinho não consegue ter paz e tem a cabeça pedida por diferentes lados do clube. Faz sentido?

O Alvinegro começou o ano com uma equipe que praticava um dos piores jogos do país e entrou no Brasileiro como candidato ao rebaixamento. Com muitas dificuldades financeiras pelas gestões passadas, o time sofreu para entrar no mercado da bola e tentou aproveitar as oportunidades de mercado para as chegadas de Willian, Renato Augusto, Róger Guedes e Giuliano.

Automaticamente após a chegada do quarteto, o técnico passou a ser cobrado como se fosse a obrigação de sua equipe estar no topo da tabela. Mas a verdade é que em poucas oportunidades o técnico teve todos à disposição. Foram apenas 191 minutos juntos, e agora Giuliano só deve jogar em 2022.

Willian tinha problemas para manter a forma na Inglaterra e, quando chegou, entrou em campo cinco vezes até se machucar. Detalhe é que em nenhuma delas ele jogou por 90 minutos e ele também não balançou as redes.

Renato Augusto veio de temporadas no futebol chinês, um campeonato que sabidamente prejudica o ritmo de atletas que depois voltam a atuar no Brasil. Ele entrou em campo pelo Corinthians pela primeira vez no dia 15 de agosto e só foi atuar por 90 minutos no dia 2 de outubro.

Giuliano e Róger já foram reforços que conseguiram ficar em campo por mais vezes, apesar de demorarem a adquirir o ritmo ideal também depois de atuarem em ligas de menos nível técnico e físico.

Claro que Sylvinho cometeu erros, assim como todos os outros técnicos do Brasileirão. Recentemente, a escalação de Renato Augusto como falso 9 foi o mais evidente deles. Mas a verdade é que o técnico tem várias carências no elenco que pouco são levadas em conta por uma torcida que esquece de todas as dificuldades que o time atual tem por culpa de nomes como Andrés Sanchez e até Duílio Monteiro Alves.

O esqueleto da equipe tem idade avançada. Cássio, Fagner, Gil e Fabio Santos são jogadores que já estão acima dos 30 e algumas vezes sofrem para apresentar 100% de seu potencial dependendo do calendário a que são submetidos.

Uma das alternativas é apostar em jovens como João Victor e Gabriel Pereira, que aparecem como grandes revelações, mas que naturalmente vão oscilar por causa da idade. Até mesmo Cantillo e Gabriel, que alternam oportunidades e já não são tão jovens, não conseguem manter uma sequência boa.

O Corinthians é um dos maiores times do país e tem uma das torcidas mais presentes. Não à toa, está com cinco vitórias jogando em casa desde que os portões foram abertos e já conseguiu mais de R$ 3 milhões de arrecadação nesses últimos jogos. Mas é fundamental que a Fiel entenda todas as dificuldades para que essa equipe apresente um bom futebol antes de jogar mais um técnico na máquina de moer do Brasileirão.

Siga também as opiniões de Danilo Lavieri no Twitter e no Instagram

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL