PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Danilo Lavieri

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Lavieri: Não adianta demitir Gaciba e manter mesma estrutura para árbitros

Leonardo Gaciba, presidente da comissão de arbitragem da CBF - Lucas Figueiredo/CBF
Leonardo Gaciba, presidente da comissão de arbitragem da CBF Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

12/11/2021 11h32

A CBF (Confederação Brasileira de Futebol) anunciou hoje (12) que demitiu Leonardo Gaciba do comando da arbitragem. A medida estava sendo ensaiada há alguns dias e diz mais respeito à postura do ex-árbitro do que uma troca que servirá para mudar algo de verdade entre os juízes no futebol brasileiro.

Os relatos eram de que Gaciba não estava aberto às críticas e protegia demais os árbitros. A questão é que não adianta só trocar o comando e manter a mesma estrutura para os apitadores. Se fizer isso, a CBF estará apenas repetindo seus clubes filiados que demitem os treinadores como uma resposta à torcida e que em poucas vezes têm resultado de verdade.

Para comandar uma partida de futebol e ter em suas mãos uma responsabilidade tão grande quanto definir lances capitais que jogam times para o rebaixamento ou definem campeões, os juízes precisam ser mais capacitados.

Um dos caminhos seria o publicado pelo blog do Marcel Rizzo sobre buscar ajuda à Fifa, para integração de brasileiros com europeus por exemplo. O intercâmbio é um dos caminhos para mostrar aos juízes daqui como mudar a atitude em vários pontos, especialmente na condução de lances que vão para o VAR.

Colocar os nossos árbitros para ver europeus trabalhando de perto pode diminuir a diferença entre o que assistimos na TV nos campeonatos de lá e o que enxergamos dia a dia nos campeonatos daqui.

Uma outra possibilidade é a profissionalização. Atualmente, vários juízes têm um primeiro emprego. De manhã, eles são dentistas, advogados, professores e à noite pegam o apito e os cartões e estão dentro de um Maracanã lotado. Isso está longe de ser o cenário ideal. É importantíssimo entender que ter um árbitro bem preparado é tão importante quanto um goleiro ou atacante. Eles fazem parte do jogo e podem estragar o espetáculo se não tomarem boas decisões.

Não adianta também técnicos e dirigentes darem discursos inflamados quando são prejudicados e fecharem os olhos quando são beneficiados. A manutenção de uma estrutura amadora te beneficia hoje e te prejudica amanhã e enquanto vocês continuarem assim, nada vai mudar.

Por fim e não menos importante, os jogadores precisam urgentemente mudar a postura. Com os áudios revelados no site da CBF, fica bem claro como é impossível o juiz ter tranquilidade para trabalhar. Em qualquer lance, já há um bolinho de atletas que praticamente inviabiliza a comunicação do árbitro com a cabine do VAR, isso sem nem contar as simulações. Em alguns momentos, parece que Raphael Claus, Anderson Daronco e companhia viram monitores de turismo de viagens de escola, cuidando de crianças.

Siga também as opiniões de Danilo Lavieri no Twitter e no Instagram