PUBLICIDADE
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Danilo Lavieri

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Novos contratos de TV geram aumento de 30% nas receitas do Paulistão

iStock
Imagem: iStock
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

09/11/2021 04h00

A Federação Paulista de Futebol comemora internamente o que considera um sucesso no novo modelo de venda de direitos de TV do Estadual. O blog ouviu de dirigentes que o valor total dos negócios representa um crescimento de quase 30% nas receitas médias anuais, em comparação com o valor médio do contrato com a Globo, no ciclo dos últimos seis anos.

O próprio site da emissora publicou reportagem em outubro afirmando que pagou R$ 225 milhões pelo ano de 2021. Os contratos atuais, no entanto, têm formatos distintos porque incluem números de jogos diferentes com exclusividade e ainda podem contar com a transmissão de outros campeonatos da entidade como feminino, sub-20 e divisões inferiores. Até aqui, os parceiros para o Paulistão são a Record, a HBO Max e o Youtube.

Há, ainda, a possibilidade de a Globo comprar os direitos para a transmissão em pay-per-view. O Estadual seria fundamental para o Premiere continuar com jogos relevantes durante a pausa do Nacional no calendário. Já não há acordo com torneios de outras praças. Outras empresas de streaming por assinatura também estão interessados no PPV.

Na comparação com outros Estaduais, o Paulistão é absurdamente mais rentável. O Carioca, que tradicionalmente sempre foi o principal "concorrente" do torneio dos times de São Paulo, tem contrato de TV aberta com a Record por R$ 15 milhões como já mostrou o colunista do UOL Rodrigo Mattos.

O crescimento é fruto de uma parceria da FPF com a agência LiveMode que começou em 2018 e passou a ser tendência para as próximas negociações de direitos de TV, especialmente com a Lei do Mandante. A Copa do Brasil e as séries B e C têm seus contratos encerrados em 2022. Na Série A, algumas equipes como o Athletico e o Palmeiras já podem usufruir da mudança a partir do ano que vem.

Siga também as opiniões de Danilo Lavieri no Twitter e no Instagram