PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Revolta com Flamengo marca movimento de clubes por adiamento de rodada

Presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, está cada vez mais isolado do união entre clubes - Lucas Figueiredo/CBF
Presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, está cada vez mais isolado do união entre clubes Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

15/09/2021 12h55

"Nunca vi uma raiva tão grande entre os clubes". Foi assim que um dos cabeças do grupo de 19 clubes que briga pelo adiamento da rodada de fim de semana do Brasileirão descreveu o clima da conversa entre eles em relação ao comportamento do Flamengo.

Depois de o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) rejeitar a liminar assinada por 17 deles, o grupo imediatamente pensou em uma resposta para mostrar que força coletiva é necessária para que o futebol evolua.

Desde ontem (14), o grupo tenta a adesão de todos os outros times, com exceção do Flamengo. Há uma chance de uma manifestação em conjunto, mas isso ainda não está definido.

Há obstáculos para que o movimento dê certo. Um eventual adiamento pode complicar ainda mais o já apertado calendário por conta da pandemia. Ainda assim, o Atlético-MG, um dos times que pode ter de jogar com intervalo de 48 horas se avançar nas competições, mantém a sua posição de apoiar o grupo.

O time mineiro conseguiu no STJD o mesmo direito do Flamengo, mas diz que não usará isso em competições nacionais em nome do fair play esportivo. Na Libertadores, o Galo briga para ter público por entender que não houve consenso prévio nas conversas com a Conmebol, que acabou liberando a presença de torcida.

A CBF está ciente do incômodo, assim como a Globo. Eles ainda não se manifestaram, mas acompanham o movimento que afeta diretamente o negócio dos dois.

O Flamengo, por sua vez, diz que está no seu direito ao se respaldar na liberação regional para público e ignora apelos por igualdade. Há entre os flamenguistas os que citam falta de isonomia por conta do calendário que desfalca o rubro-negro, mas o restante alega que esse é um problema que afeta os times de maneira geral e que sempre esteve na pauta de discussões.

Siga também as opiniões de Danilo Lavieri no Twitter e no Instagram