PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Everton Ribeiro não funciona, e seleção brasileira trava contra a Colômbia

Everton Ribeiro recebe chance como titular da seleção contra a Colômbia - Thiago Ribeiro/AGIF
Everton Ribeiro recebe chance como titular da seleção contra a Colômbia Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

23/06/2021 23h03

O grande dilema de Tite continua: achar uma solução para a criação do seu meio-campo. Hoje, a ideia era usar Everton Ribeiro como articulador, o que, em tese, daria mais liberdade para Neymar atuar na intermediária para frente e não só na ponta, uma vez que a marcação não precisaria se preocupar exclusivamente com o jogador do PSG.

A questão é que não funcionou, e o time ficou travado diante de uma Colômbia que veio bem postada para o jogo no Nilton Santos, no Rio de Janeiro, e segurou o 1 a 1 até o último lance. O camisa 10 tocou bastante na bola, mas prendeu demais e não foi decisivo como tinha sido nas últimas quatro aparições. Casemiro fez o gol no último lance do jogo para uma vitória suada, mas lições podem ser tiradas.

O time não encantou, mas melhorou com as substituições no segundo tempo. Renan Lodi deu mais profundidade ao ataque pela esquerda, assim como Paquetá como segundo homem de meio-campo deu mais dinâmica do que tinha a equipe com a dupla Fred e Casemiro. Roberto Firmino, além de ter feito o gol, já tinha criado a melhor chance do time com belíssimo passe para Neymar, que parou na trave.

O Brasil mostrou uma evolução do seu futebol nas últimas quatro partidas, duas nas Eliminatórias e duas na Copa América. A solução parecia ser dar liberdade para Neymar atuar no meio para frente, mas, contra o Peru, o estilo de jogo não funcionou no primeiro tempo. A alternativa naquela ocasião foi colocar Everton Ribeiro para articular mais jogadas, especialmente do meio para direita, e a vitória virou goleada no segundo tempo.

Tite falou disso na coletiva pós-jogo e até minimizou o fraco desempenho ofensivo de outros atletas como Gabigol, por exemplo. Na visão dele, se o flamenguista tivesse em campo no segundo tempo, teria ido melhor justamente pela dupla Neymar e Everton Ribeiro. Hoje, essa estratégia não funcionou.

A atuação não foi boa, mas não chega a ser preocupante no atual contexto. O sistema defensivo que tem sido quase imbatível, teve algumas falhas. É importante que a seleção use a Copa América como laboratório para identificar justamente esses problemas que podem aparecer na hora mais decisiva da Copa do Mundo do Qatar, em 2022.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL