PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Bragantino vence o Palmeiras por ser melhor treinado, mesmo com elenco pior

Bragantino comemora gol de Ytalo contra o Palmeiras pelo Brasileiro  - Diogo Reis/AGIF
Bragantino comemora gol de Ytalo contra o Palmeiras pelo Brasileiro Imagem: Diogo Reis/AGIF
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

23/06/2021 20h57

A vitória do Red Bull Bragantino hoje (23) diante do Palmeiras foi justa e aconteceu porque o time é melhor treinado. A equipe do interior de São Paulo mostrou mais alternativas na hora de sair jogando, com uma proposta de jogo semelhante a do Alviverde, mas muito melhor executada, mesmo com elenco da capital sendo melhor. É preciso que o atual campeão da Libertadores apresente muito mais com as opções que tem.

A questão é que os palmeirenses acertaram poucas coisas na hora de criar e as melhores oportunidades foram de chutes à distância ou de cruzamentos de Gustavo Scarpa. A dificuldade de trabalho coletivo neste setor é assustadora. Raphael Veiga teve péssima atuação. Lucas Lima está afastado do elenco após ato irresponsável. Até mesmo Patrick de Paula que poderia ajudar nessa distribuição está fora pelo mesmo motivo.

Hoje foi a vez de Abel Ferreira escalar de novo um time no 3-5-2 que não se sustentou com os erros individuais e não funcionou coletivamente. No primeiro gol, Vinicius Silvestre deu rebote nos pés de Ytalo. No segundo, Felipe Melo ficou muito distante de conseguir competir na velocidade e, no terceiro, o Palmeiras provou do próprio veneno ao tomar um gol no contra-ataque, com o "Pitbull" acompanhando à distância de novo.

Se o Palmeiras pega uma equipe que não tenta sair muito para o jogo, há sempre a dificuldade de levar perigo ao gol do adversário. Deyverson se esforça, corre, briga por todas, mas não tem capacidade técnica para ser titular absoluto. Mas o esquema de jogo proposto é tão frágil que quando o atacante sai, as bolas continuam sendo cruzadas, mas já sem ninguém para cabecear. Também não parece fazer sentido colocar Scarpa, o melhor em campo, na ala. Rony recebeu chance só por 15 minutos e não fez muita diferença, assim como Luiz Adriano.

Contra o CRB, o Alviverde já tinha tido dificuldades de ser efetivo na criação, contra o América-MG a novela se repetiu na maior parte do jogo e, hoje, o filme foi quase o mesmo. Para piorar, Cleiton, goleiro do Bragantino, foi muito bem quando exigido. É preocupante para um time que quer ser campeão. Quem sabe a volta de Dudu seja um dos escapes, mas até lá o Palmeiras pode já ter perdido pontos preciosos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL