PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

Favorito no São Paulo, Casares tem papo avançado com Rodrigo Caetano

Rodrigo Caetano, diretor executivo de futebol do Inter, acredita em recuperação do clube - Ricardo Duarte/Inter
Rodrigo Caetano, diretor executivo de futebol do Inter, acredita em recuperação do clube Imagem: Ricardo Duarte/Inter
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

03/12/2020 13h52Atualizada em 03/12/2020 17h03

*Com Marinho Saldanha, do UOL, em Porto Alegre

Rodrigo Caetano é o nome favorito para ser diretor de futebol do São Paulo caso Júlio Casares seja eleito presidente na próxima eleição do dia 12 de dezembro. O diretor-executivo já mantém conversas com o cartola e indicou que tem interesse na função. O papo está em estágio avançado.

Casares é o grande favorito do pleito que indicará quem vai substituir Carlos Augusto Barros e Silva, o Leco. Foi essa a tendência indicada pelas eleições dos conselheiros com resultado divulgado no domingo.

Atualmente no Internacional, o dirigente tem contrato só até o final do ano com a equipe do Beira-Rio e não deve continuar. Nenhum dos dois grupos que vai concorrer na sucessão do clube gaúcho tem interesse na renovação do acordo.

Isso porque Caetano teve a imagem bastante arranhada com o torcedor por conta dos problemas que teve no dia a dia com Eduardo Coudet, que acabou saindo para assumir o Celta, da Espanha. Um dos principais pontos de desentendimento foi a questão de o argentino pedir reforços que a equipe não poderia contratar por conta das dificuldades financeiras impostas pela pandemia.

A freguesia para o Grêmio, que também afetou Coudet, e a falta de títulos entre os profissionais são outros fatores que pesam na passagem de Rodrigo Caetano, apesar de o time ter sido assumido por ele logo após o rebaixamento. Em reconstrução, a equipe chegou à final de Copa do Brasil, quartas de Libertadores e levantou a taça da Copinha depois de 30 anos, aproveitando para usar garotos que foram promovidos ao profissional depois disso.

O blog entrou em contato com Rodrigo, que preferiu não falar sobre o tema por respeito ao contrato que ainda está em vigor com o Internacional. Ele esteve na lista de substitutos do Palmeiras após a saída de Alexandre Mattos, mas o negócio não avançou. Já Casares não respondeu às tentativas de contato.

No Morumbi, os atuais dirigentes como Alexandre Pássaro e Raí já sabem que há essa negociação e que há o risco de uma troca completa no departamento de futebol. Nem mesmo Fernando Diniz está garantido apesar de estar brigando pelo título do Brasileirão e da Copa do Brasil. O sonho de Casares era Rogério Ceni, mas o acordo com Flamengo inviabiliza esse plano no momento.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.