PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

Palmeiras: Veiga esteve em lista de negociáveis, mas ficou a pedido de Luxa

Raphael Veiga comemora um dos gols que marcou pelo Palmeiras contra o Fluminense - Bruno Ulivieri/AGIF
Raphael Veiga comemora um dos gols que marcou pelo Palmeiras contra o Fluminense Imagem: Bruno Ulivieri/AGIF
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

19/11/2020 11h55

Raphael Veiga vive a sua melhor fase com a camisa do Palmeiras. Com cinco gols nos últimos três jogos, o meio-campista parece ter encontrado a forma que o fez ser considerado um dos melhores no Campeonato Brasileiro quando defendia o Athletico.

Se agora ele brilha com a camisa verde, recentemente, ele esteve bem perto de ser negociado. O nome de Veiga foi colocado em uma lista de dispensas feita por Mano Menezes e Alexandre Mattos no fim de 2019, antes de os dois acabarem demitidos por Maurício Galiotte.

Ainda assim, quando Vanderlei Luxemburgo e Anderson Barros assumiram, o nome do meio-campista seguia entre os negociáveis. A saída dele chegou a ser dada como certa no começo do ano, mas a pedido do técnico ele ficou. Uma das propostas era de US$ 4 milhões.

Ao entender que o poder de atuação do Palmeiras no mercado seria limitado, Luxemburgo solicitou que Veiga ficasse. Por conta disso, o atleta teve seu contrato renovado em fevereiro, com direito a aumento substancial, apesar da pouca utilização. Seu contrato que ia até 2021 agora vai até 2023.

Com o tempo, o atleta começou a receber mais chances e, em setembro, chegou a admitir que não estava atuando onde mais gostava.

Com a saída de Luxemburgo, Raphael Veiga cresceu, assim como outros nomes importantes como Zé Rafael e até mesmo Lucas Lima. No atual esquema, ele atua armando com liberdade para chegar à área como um elemento surpresa e tem tido várias oportunidades para finalização à distância.

É importante destacar que antes mesmo de não decolar com Luxemburgo, o meio-campista também já não tinha tido muitas chances com outros técnicos como Felipão e Mano Menezes. Aparentemente com Abel Ferreira, o meia reencontrou seu melhor futebol.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.