PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

Prejuízo do Brasileirão por jogos sem público supera R$ 12 mi; veja ranking

Estádio do Maracanã é o mais caro do Brasileirão - Reprodução / Internet
Estádio do Maracanã é o mais caro do Brasileirão Imagem: Reprodução / Internet
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

25/10/2020 04h00

O prejuízo que os 20 clubes do Campeonato Brasileiro sofrem por conta dos jogos sem público já ultrapassa a casa dos R$ 12 milhões antes mesmo do fim do primeiro turno da competição. O levantamento feito pelo blog leva em conta os boletins financeiros que foram enviados pelos mandantes para a CBF até a rodada 17.

Os documentos consideram custos como pagamento da equipe de arbitragem, despesas operacionais do estádio, segurança, ambulância e controle de dopagem. Normalmente, eles seriam cobertos com a renda obtida pela venda de ingressos de cada partida.

Como acontece desde o início do Nacional, Fluminense e Flamengo lideram a tabela - os dois não têm estádio e precisam arcar com altos custos do Maracanã, que custa quase R$ 200 mil por jogo. Eles são seguidos por Botafogo e Atlético-MG, que vivem situação semelhante e precisam arcar com os custos de Nilton Santos e Mineirão, respectivamente.

O Sport não envia o detalhamento completo e conta com a conivência da CBF, mesmo que a prática vá contra a transparência pedida pelo Estatuto do Torcedor. O clube do Recife só coloca no boletim o gasto com seguro, que não chega nem aos R$ 10.

Outra observação é para o caso do Palmeiras. Como não pôde usar seu estádio para enfrentar o Santos, o Alviverde precisou gastar R$ 130 mil para jogar no Morumbi. Em tese, de acordo com o contrato firmado com a WTorre, esse valor deve ser subtraído do total e pago pela construtora.

Confira o ranking completo por prejuízo total:

- Fluminense - R$ 1.679.871,58
- Flamengo - R$ 1.297.799,39
- Botafogo - R$ 823.546,15
- Atlético-MG - R$ 813.971,87
- Palmeiras - R$ 712.480,50
- Bahia - R$ 601.063,11
- Vasco - R$ 588.845,27
- Fortaleza - R$ 580.079,79
- Ceará - R$ 570.140,25
10º - Santos - R$ 547.855,11
11º - São Paulo - R$ 504.062,11
12º - Coritiba - R$ 484.091,37
13º - Grêmio - R$ 483.551,33
14º - Internacional - R$ 469.445,04
15º - Red Bull Bragantino - R$ 412.913,47
16º - Corinthians - R$ 412.264,75
17º - Athletico Paranaense - R$ 377.965,07
18º - Atlético-GO - R$ 367.849,17
19º - Goiás - R$ 323.308,55
20º - Sport - R$ 59,40

TOTAL: R$ 12.051.163,28

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.