PUBLICIDADE
Topo

Mesmo com todo o contexto, Palmeiras tem que jogar melhor. Luxa sabe disso

Vanderlei Luxemburgo comanda o Palmeiras na partida contra o Flamengo - Marcello Zambrana/Marcello Zambrana/AGIF
Vanderlei Luxemburgo comanda o Palmeiras na partida contra o Flamengo Imagem: Marcello Zambrana/Marcello Zambrana/AGIF
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

28/09/2020 15h54

Há um debate fervoroso entre defensores e críticos de Vanderlei Luxemburgo no Palmeiras. A discussão começa com torcedores, passa pela imprensa e atinge parte do Conselho e da diretoria. Ontem, após o empate com o Flamengo, foi o dia que as cornetas "soaram" mais alto depois de um tempo de relativa paz.

A expectativa era que o Alviverde conseguisse vencer um rival desfigurado e que ainda poderia significar uma vitória contra um time que decidiu tomar direção oposta nas questões extracampo. Mas isso não aconteceu. O debate se intensificou e, mesmo com todos prós e contras, a conclusão me parece óbvia: precisa melhorar.

Vanderlei Luxemburgo tem méritos no trabalho. Puxou Felipe Melo para a zaga, fez uma das defesas mais confiáveis do país, promoveu jovens da base e não pode contar com o apoio financeiro para novas contratações. Ainda assim, o desempenho palmeirense precisa melhorar; e ele sabe disso.

Felipe Melo reclama com a arbitragem durante partida contra o Flamengo  - Marcello Zambrana/AGIF - Marcello Zambrana/AGIF
Felipe Melo tem ido bem na zaga
Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

O time está se reformulando

É verdade que o Palmeiras está passando por uma mudança do elenco, especialmente após a saída de Dudu. O Alviverde parou de contratar e apostou muito nas categorias de base, o que, aliás, é um grande mérito de Vanderlei Luxemburgo. Mas ainda assim, o elenco palmeirense é melhor que praticamente todos os outros.

Em todos os setores, o Palmeiras tem opções que seriam titulares na grande maioria da Série A: Vitor Hugo na zaga; Mayke na direita; Bruno Henrique no meio; Willian no ataque. Qual outra equipe que não o Flamengo tem opções neste nível? Nem mesmo o Atlético-MG e o Inter, que brigam pela ponta, têm um banco assim. A diferença deles está no estilo de jogo.

Isso para não falar de outras opções como Gustavo Scarpa, Ramires e Rony, que foram contratados com pompa, mas ainda não conseguem render o suficiente.

Maurício Galiotte, presidente do Palmeiras - Cesar Greco - Cesar Greco
Imagem: Cesar Greco

O Palmeiras não é mais rico

Também é verdade o que dizem boa parte de seus diretores, vices e até mesmo o presidente. O Palmeiras brecou as grandes contratações, os investimentos e isso fazia parte dos planos de Maurício Galiotte desde o ano passado, na famosa coletiva de "vamos acompanhar as mudanças do futebol".

O time de Palestra Itália trouxe um diretor mais low profile em relação a seu antecessor, priorizou as vendas e não empilhou contratações. Houve redução na folha salarial com as saídas, diminuição no pagamento por conta da crise da pandemia e uma reorganização pensando em um futuro financeiro saudável. O que também é elogiável no cenário do futebol brasileiro.

Ainda assim: o Alviverde tem o maior patrocínio da América Latina, a 4ª maior folha salarial do país e um dos cenários mais tranquilos em relação à dívida e ao que fatura por ano. Isso sem nem falar de um dos estádios mais rentáveis do continente, porque agora as bilheterias simplesmente não existem mais.

Estamos no meio de uma pandemia

Lucas Lima, durante treino do Palmeiras, na Academia de Futebol - Cesar Greco - Cesar Greco
Imagem: Cesar Greco

Também é verdade que a pausa no calendário por conta da pandemia atrapalhou o plano de qualquer treinador. Mas é aí que está: a crise é igual para todos. E como, ainda assim, há times com elencos piores apresentando desempenho melhor?

O Santos de Cuca joga melhor que o Palmeiras de Vanderlei Luxemburgo. O Atlético-MG de Jorge Sampaoli também. O Internacional de Eduardo Coudet apresentou uma queda, mas, ainda assim, tem feito jogos melhores.

O tão criticado São Paulo de Fernando Diniz não tem conseguido uma sequência de bons desempenhos e tem os mesmos 19 pontos em 11 jogos no Brasileirão...

Vanderlei Luxemburgo enfrenta dificuldades comuns a seus antecessores: faltam meias que consigam armar o time. Na sequência contra Red Bull, Corinthians e Sport, ele parecia ter encontrado uma formação ideal. Patrick de Paula, Zé Rafael e Lucas Lima tiveram boas apresentações. Mas a evolução parou. Pior. O time regrediu.

Os resultados são bons

O Palmeiras foi campeão do Paulista em cima do arquirrival. E isso vai ser histórico, tendo jogado bem ou mal. Mas é possível falar que o Alviverde convenceu alguém com alguma atuação neste campeonato que já não apresentou um alto nível?

O Palmeiras é líder da Libertadores e está invicto no Brasileirão. Mas é possível ter perspectivas de estar na batalha pelo topo até o término das competições se o time continuar jogando dessa maneira?

Ontem, com o time reserva, o Flamengo conseguiu fazer jogadas de ataque mais envolventes que as do Palmeiras. Isso não é normal.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.