PUBLICIDADE
Topo

Arthur Cabral brilha na Europa. Por que ele não teve chance no Palmeiras?

Arthur Cabral teve poucas oportunidades no Palmeiras e, agora, brilha na Europa - Cesar Greco/AG Palmeiras / Divulgação
Arthur Cabral teve poucas oportunidades no Palmeiras e, agora, brilha na Europa Imagem: Cesar Greco/AG Palmeiras / Divulgação
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

12/07/2020 12h01

Arthur Cabral é a sensação do futebol na Suíça. Com dois gols ontem (11), inclusive um de letra, ele chegou aos 17, além de já ter seis assistências em 32 jogos disputados. Ele não para de cair nas graças do torcedor. O atacante já é o artilheiro isolado do Basel no Nacional e o segundo que mais marcou em toda a competição, só atrás de Jean-Pierre Nsame, do Young Boys.

Mas, afinal, por que ele não teve chance no Palmeiras? Contratado no fim de 2018 para se apresentar em 2019, o atacante chamou a atenção no Ceará e chegou para brigar por vaga com nomes que nunca conseguiram se firmar, como Deyverson e Borja, por exemplo. Sua chegada foi vista como a grande oportunidade de os palmeirenses pararem de sofrer com a irregularidade de seus camisas 9.

Felipão, no entanto, não se mostrou convencido. No Alviverde, Arthur entrou em campo em apenas cinco ocasiões, sendo apenas duas vezes como titular. Fez um gol contra o Novorizontino, no Paulista, mostrando oportunismo dentro da área logo na sua estreia, mas não foi o suficiente.

Na época, a justificativa interna que se dava à ausência de oportunidades eram os treinos fracos. Vale lembrar que, na época, os jornalistas eram proibidos de assistir aos treinos por ordem de Felipão. Não dava, portanto, para termos uma análise própria do que o atacante fazia nos treinos.

A comissão técnica considerava Arthur "pesado" para fazer o papel de 9 que o time precisava. Para comparação, Deyverson esteve em campo em 41 ocasiões e, Borja, em 25. Hoje, o jovem garoto brilha no Basel, enquanto os outros dois representam um grande problema a se resolver na Academia de Futebol.

Vale lembrar que, antes de desembarcar no Palestra Itália, Arthur já havia feito 24 gols em 55 jogos pelo Ceará em 2018. A passagem no Alviverde se mostrou como um hiato na sequência de gols do atleta que hoje tem 22 anos. Ao palmeirense resta lamentar o fato de o jogador não ter tido mais oportunidades. Como consolo, fica a operação financeira que terminou em lucro de aproximadamente R$ 8 milhões para o Palmeiras.