PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Campo Livre


Zaidan: É a vez de Messi e Cristiano entrarem em campo na Liga dos Campeões

"Messi fará 33 e continuará portador de excepcional talento. Mas, pouco a pouco, escorrega de seu auge" - JOSEP LAGO/AFP
"Messi fará 33 e continuará portador de excepcional talento. Mas, pouco a pouco, escorrega de seu auge" Imagem: JOSEP LAGO/AFP

24/02/2020 14h25

A rotineira artilharia de Haaland, a primeira derrota do Liverpool neste ano, as armadilhas de Simeone, a reiterada eficiência de Nagelsmann, o espetáculo da turma do Gasperini. Haverá mais: é hora de Messi, Cristiano Ronaldo, Zidane e Guardiola subirem ao campo, repetirem feitos, sacarem soluções, entrarem na disputa por vaga nas quartas da Liga dos Campeões da Europa. Nesta terça, na Itália, o Napoli vai encarar o Barcelona, e o Chelsea, em Londres, jogará contra o Bayern. Quarta-feira, mais dois embates: Lyon e Juventus, na França, e, na Espanha, Real Madrid e Manchester City. Estes jogos fecharão a primeira rodada das oitavas de final.

As coisas não estão fáceis para napolitanos e catalães: crises internas, mudança de técnico, turbulências, amofinações. O Napoli, nos últimos anos, estabeleceu -se como principal desafiante à hegemonia da Juventus na Série A; foi vice-campeão em quatro dos oito campeonatos seguidos vencidos pelo clube de Turim. Nesta temporada, porém, a agremiação napolitana patina, parece restrita a tentar vaga na Liga Europa, está longe demais dos que realmente disputam o scudetto: Juventus, Lazio e Inter. Os dirigentes do Napoli, expostos ao desarranjo do time, chegaram à esquisita conclusão de que o problema era Ancelotti; trocaram-no por Genaro Gattuso. As coisas desandaram na competição doméstica, mas a equipe, ainda sob Ancelotti, se manteve firme na Liga dos Campeões: conseguiu o segundo lugar em seu grupo, logo atrás do Liverpool, e avançou para as oitavas.

O Barcelona, por sua vez, enroscou- se em outro tipo de crise, desencadeada pela notória insatisfação de Messi com os dirigentes do clube, principalmente com Josep Maria Bartomeu, o presidente. O craque argentino tornou pública sua opinião de que Bartomeu não se esforçou suficientemente para levar Neymar de volta ao Camp Nou. Há poucos dias, o maior artilheiro do Barcelona e da Argentina reafirmou que espera o retorno do brasileiro. Messi completará 33 anos daqui a quatro meses e continuará portador de excepcional talento. Mas, pouco a pouco, escorrega de seu auge.

É este o momento justo para que o Barcelona lhe dê companheiros capazes de dividir tarefas, decidir jogos, ajudá-lo a ganhar títulos. Hoje, no entanto, Messi se vê obrigado, mais do nunca, a levar o time sobre os ombros. A contusão de Suárez agravou as coisas. Por isso a insistência de Messi em cobrar de Bartomeu os esforços necessários para recontratar Neymar. A chegada de Quique Setién ainda não trouxe solução para o principal problema: a defesa. Piquet, cuja extraordinária história no clube dispensa relatos, não pode mais ser titular; Busquets, meio-campista de primeira linha e também histórico nas conquistas catalãs, saiu de sua lentidão natural para uma irremediável morosidade; as laterais arrastam as dificuldades deixadas pela saída de Abidal e, depois, de Daniel Alves. Resulta disto o excesso de gols que o time tem sofrido, mesmo contando com Ter Stegen, ótimo goleiro. Jogador por jogador, o Barcelona é melhor que o Napoli, mas claro está que, outra vez, sua real grande vantagem é Messi.

Chelsea e Bayern, nesta temporada, não causam empolgação. Faz alguns anos que Abramovich deixou de entornar toneladas de euros, libras e dólares em contratações para o clube londrino; os investimentos ainda são altos, milionários, mas muito mais contidos do que naquele período em que a conquista da Europa era objetivo inegociável, premissa de todas os movimentos do Chelsea no mercado. O título, finalmente alcançado em 2012, acalmou o bilionário russo, normalizou suas decisões. Lampard está em casa; conhece como poucos o Chelsea, cuja camisa ele vestiu mais de 420 vezes. Seu elenco, embora desprovido de craques, é bom, mas claramente inferior ao do Bayern.

A equipe da Baviera tropeçou além da conta no primeiro turno do campeonato alemão. Em novembro, o treinador Niko Kovac foi substituído por Hans-Dieter Flick, seu assistente desde o início da temporada e que, de 2006 a 2014, trabalhou com Joachim Loew na seleção alemã. O Bayern voltou à normalidade, desandou a ganhar jogos e, aproveitando-se de alguns tropeços do Leipzig, chegou à liderança do campeonato, seu lugar costumeiro. A disputa está boa, com Leipzig, Dortmund e Moenchengladbach na cola do líder. Em seu grupo na Liga dos Campeões, o gigante alemão venceu as seis partidas que disputou. Se jogar em seu melhor nível, o time de Neuer, Alaba, Kimmich, Thiago, Boateng, Goretzka e Lewandowski passará pelo Chelsea.

Muito maior é a distância entre Juventus e Lyon. O melhor momento do clube francês na principal competição europeia foi na temporada 2009-2010, quando chegou à semifinal, pouco depois daquela extraordinária sequência de sete títulos nacionais seguidos —feito que teve a assinatura de Juninho Pernambucano, que agora é dirigente do clube. Foi ele quem contratou Sylvinho para comandar o time. As coisas não andaram bem, é fato, e, no outubro passado, Rudi Garcia foi convidado para o lugar de Sylvinho. São muitos os brasileiros no elenco: Rafael, Thiago Mendes, Marçal, Jean Lucas e Marcelo. Para chegar às oitavas, o Lyon deixou Zenit e Benfica pelo caminho. Porém o sorteio complicou a situação: Rudi e seus jogadores terão de lidar com Cristiano Ronaldo e companhia. Sarri tem convivido com contestações e críticas, mas a Juventus segue na empreitada pelo nono título seguido na Série A e não deve sofrer para avançar pelo menos às quartas na liga europeia.

O Real Madrid, que tem no armário treze troféus da Liga dos Campeões, não se contenta com coisa alguma que não seja o título. O time começa a se livrar dos efeitos de ter perdido Cristiano Ronaldo. O elenco está entre os melhores do mundo, mas Zidane sabe que há uma transição em curso e que é preciso conduzi-la em meio à permanente exigência por conquistas. Não importa, o Real Madrid tem sempre de estar pronto para a vitória.

Guardiola entende como poucos o que é ser visitante no Bernabéu. Ele esteve lá como jogador e como técnico; ganhou muitas vezes. Ser campeão na liga continental é o que move, hoje, o Manchester City, é o caminho único para ser contado entre os grandes da Europa. O mesmo acontece com o Paris Saint-Germain, e assim foi com o Chelsea. Mas os dias que deveriam ser dedicados exclusivamente aos dois confrontos com o Real, Guardiola teve de atravessá-los falando sobre os desconchavos do clube, a punição imposta pela Uefa, o risco de que jogadores queiram ir embora. Pelo menos, os torcedores ouviram de seu treinador que ele, com ou sem punição, ficará no City, só sairá se for demitido.

A segunda rodada destes confrontos está marcada para os dias 17 e 18 de março. Virá, então, o sorteio para as quartas de final, livre, sem as restrições observadas para as oitavas, quando não se enfrentam clubes de um mesmo país ou que tenham vindo do mesmo grupo.

Campo Livre