PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Campo Livre


Campo Livre

É mais fácil acusar do que assumir a responsabilidade

Bressan, do Grêmio, discute com o árbitro Andrés Cunha após pênalti marcada com a ajuda do VAR - Antonio Lacerda/EFE
Bressan, do Grêmio, discute com o árbitro Andrés Cunha após pênalti marcada com a ajuda do VAR Imagem: Antonio Lacerda/EFE
Oscar Roberto Godoi

Oscar Roberto Godoi

Jornalista e ex-árbitro, esteve sob a chancela da Fifa de 1993 a 2000

31/10/2018 17h13

O futebol evolui tecnicamente, fisicamente, taticamente, renova os nomes dentro e fora de campo mas, infelizmente, alguns hábitos e costumes continuam os mesmos. Continua sendo mais fácil transferir para a arbitragem a culpa pelo fracasso do que assumir a responsabilidade.

Não importa onde nem em qual competição. Pode ser em campeonatos regionais, nacionais ou internacionais. A figura do árbitro continua sendo a válvula de escape para dirigentes, técnicos, jogadores e torcedores.

O Grêmio foi eliminado da Libertadores pelo argentino River Plate, em plena Arena, de virada, pelo placar de 2 a 1, depois de ter vencido em Buenos Aires por 1 a 0. O rival não teve méritos, o time brasileiro não falhou coletiva nem individualmente. Só perdeu porque o árbitro "roubou", segundo o técnico Renato Gaúcho.

Vamos aos fatos. O árbitro uruguaio Andrés Cunha poderia ter expulsado Paulo Miranda aos 12 minutos do segundo tempo, se tivesse agido com rigor ou revisado o lance no monitor do VAR. Optou por receber informações verbais e mostrou só o cartão amarelo para o maldoso zagueiro do Grêmio, que atingiu o joelho do adversário depois de chutar a bola. Roubou quem?

O árbitro também não recorreu ao VAR para validar o gol de empate do River. Aliás, ninguém reclamou. Mesmo com imagens não tão nítidas, dá para deduzir que a bola toca levemente no braço do atacante antes de ir para o gol. Acontece que o referido braço do jogador do River é atingido pelo pé de Jael, na tentativa de cortar o cruzamento. Pênalti a favor do River ou falta para o Grêmio?

Acertou o árbitro em consultar o VAR e marcar pênalti para o River, resultando no gol da vitória e consequente desclassificação do Grêmio. O defensor Bressan deixa o braço numa posição que "cerca" a trajetória da bola. Movimento físico considerado nada normal pelas orientações da Fifa. Não havia necessidade do segundo cartão amarelo seguido do vermelho. Acertou no remédio mas errou na dose.

Campo Livre