PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Fortaleza se complica na Libertadores repetindo erros do Brasileiro

Jogador do Fortaleza durante duelo contra o Estudiantes, pela Libertadores - Staff Images / CONMEBOL
Jogador do Fortaleza durante duelo contra o Estudiantes, pela Libertadores Imagem: Staff Images / CONMEBOL
só para assinantes
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

30/06/2022 23h54

Não faltou apoio da torcida no Castelão e até o gramado, antes péssimo, estava em condições mais razoáveis no empate por 1 a 1 entre Fortaleza e Estudiantes.

O Fortaleza também não negou entrega e coragem na ida das oitavas de final, em sua estreia na Libertadores, contra o tradicional Estudiantes. É sempre um time que procura se instalar no campo adversário e deixa 100% de esforço, mesmo com as dificuldades logísticas de uma equipe do Nordeste cruzando o Brasil, disputando cinco competições na temporada e ainda vivo em três.

O desafio era grande, mas o time argentino, comandado por Ricardo Zielinsky, passou por uma reformulação em relação à ótima campanha na fase de grupos do torneio continental. Perdeu o bom meia Pellegrini, fez contratações e, por precaução, o treinador fechou sua equipe num 5-4-1, que se transformava em 4-4-2 no ataque, com Castro e Zuqui alternando nos avanços para se aproximar do ídolo inesgotável Mauro Boselli.

Juan Pablo Vojvoda sabia da necessidade de construir alguma vantagem em casa e seu time atacou com a mobilidade de Pikachu partindo da ala direita, Juninho Capixaba abrindo o campo do lado oposto e Lucas Lima tentando articular para a dupla Romero-Moisés no habitual 3-4-1-2 do treinador argentino.

Mas o Fortaleza vem mostrando problemas crônicos que não comprometeram a campanha na fase de grupos e a mobilização para o clássico com o Ceará minimizou na Copa do Brasil. No Brasileiro, porém, em que pesa a regularidade na construção de resultados, a equipe vem pecando demais. Não por acaso voltou à lanterna com a derrota de virada para um mistão do Atlético no Mineirão, depois de abrir 2 a 0.

As ações ofensivas fluem, a equipe tem volume. Mas desperdiça muitas chances, como a que Moisés perdeu no primeiro tempo, depois de jogada individual em que chegou a driblar o goleiro Andújar. Com 59% de posse, finalizou dez vezes, mas apenas duas no alvo. O Estudiantes também concluiu uma dezena, porém quatro na direção da meta de Marcelo Boeck.

Falta contundência em momentos importantes. Pikachu faz o que pode, novamente é o destaque individual. Muitas vezes compensando a baixa intensidade de Lucas Lima. Ao menos na Libertadores, Silvio Romero mostra vocação para o gol. Fez o quarto dele na competição e abriu o placar.

Mas bastou Zielinsky dar companhia a Boselli com Leandro Díaz na vaga de Castro e um armador mais criativo pela esquerda - Rollheiser, contratado ao River Plate - na vaga de Zapiola, para o time argentino articular um bom ataque nas costas de Pikachu, efeito colateral da proposta ofensiva de Vojvoda, que Landazuri não conseguiu cobrir e o ala Más serviu Díaz para empatar.

Depois foi desespero e mais uma boa chance desperdiçada no final, por Igor Torres, que substituiu Romero e manteve a baixa efetividade do ataque. Um problema para a volta em La Plata.

Apesar da bravura do Fortaleza, e mesmo considerando que chegar ao mata-mata já é um lucro e uma eliminação, ainda que lamentada, daria um respiro no calendário, o favoritismo do Estudiantes, que já era grande, se ampliou com o 1 a 1 no Ceará. Mas o time de Vojvoda já mostrou poder de superação em outros momentos.

Só que não é fácil "virar a chave" do Brasileiro para outras competições. Os defeitos vão junto com as virtudes, ainda mais quando não há tempo para treinar e corrigir.

(Estatísticas: SofaScore)