PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Palmeiras x Galo nas quartas, Fla incógnita e Corinthians pode pagar caro

Wesley prepara jogada em duelo entre Palmeiras e Atlético-MG - Ettore Chiereguini/AGIF
Wesley prepara jogada em duelo entre Palmeiras e Atlético-MG Imagem: Ettore Chiereguini/AGIF
Conteúdo exclusivo para assinantes
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

27/05/2022 14h29

O River Plate é o grande favorito do lado "argentino" do chaveamento das oitavas da Libertadores e deve ter um caminho tranquilo até as semifinais. Mesmo sem o artilheiro Julián Álvarez nas quartas contra Colón ou Talleres, mas presente no difícil, mas acessível, confronto com o Vélez Sarsfield pelas oitavas.

Athletico de Felipão tem chances contra o Libertad e o Fortaleza viverá o sonho do mata-mata continental, mas não como favorito diante do Estudiantes.

Galo e Palmeiras tiveram o sorteio dos sonhos para as oitavas. Mas cumprindo os "protocolos" e passando por Emelec e Cerro Porteño, respectivamente, farão uma reedição da enorme semifinal do ano passado. Certamente não era o caminho que ambos esperavam, mas quem passar pega moral e pavimenta o trajeto até a grande final.

O Flamengo é uma grande incógnita. Até o jogo de ida contra o Tolima, em viagem complicada a Ibagué, o treinador ainda será Paulo Sousa? Em que nível de desempenho estará o time? E ainda pega uma equipe que fez jogos malucos na fase de grupos contra América e Galo, é forte nas transições ofensivas e já provou que não se desmancha mentalmente nas partidas. O atual vice-campeão sul-americano é, naturalmente, o favorito, mas o duelo é mais aberto do que deveria ser. Por demérito rubro-negro.

Por fim, o Corinthians pega o Boca Juniors. De novo. Que a Conmebol resgate para a próxima edição a "trava" de duelos nas oitavas contra times do mesmo grupo, porque é bizarro um clube chegar nas quartas tendo enfrentado apenas três times.

A equipe de Vitor Pereira pode pagar caro na Bombonera pelo golzinho que não achou em casa contra os reservas do Always Ready. Até junho muita coisa pode mudar, mas o time xeneize tem pouco a oferecer além de tradição, "milonga" e pressão na arbitragem. Ainda assim, a chance corintiana é abrir boa vantagem na Neo Química Arena.

Na Sul-Americana, Santos e São Paulo se deram melhor encarando Tachira e Católica, respectivamente. O Internacional deve penar contra o Colo Colo, a tradição pode pesar a favor do Olimpia contra o Atlético-GO e a altitude e o jogo aéreo do Strongest podem ser obstáculos na Bolívia para o, ainda assim, favorito Ceará.