PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Rocha: Chelsea é melhor da Europa porque sabe impor seu jogo ou se adaptar

Thiago Silva comemora com companheiros de Chelsea gol contra o Tottenham no Campeonato Inglês - Reprodução/Twitter @ChelseaFC
Thiago Silva comemora com companheiros de Chelsea gol contra o Tottenham no Campeonato Inglês Imagem: Reprodução/Twitter @ChelseaFC
Conteúdo exclusivo para assinantes
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

19/09/2021 14h26

O Tottenham tentou surpreender o Chelsea com Harry Kane pela esquerda e Son como uma referência móvel na frente para confundir o trio de zagueiros de Thomas Tuchel.

Com Christensen na zaga e Azpilicueta na ala direita, que é melhor defensor que Reece James, os Blues se ajustaram rapidamente à demanda do clássico londrino fora de casa. Defendendo com concentração absoluta, saindo rápido pelos flancos e buscando o pivô de Lukaku, acompanhado pela mobilidade de Havertz e Mount - o alemão fazendo mais o segundo atacante, o inglês dialogando com Jorginho e Kovacic no meio-campo.

Assim controlou negando espaços à dupla de artilheiros dos Spurs e também vigiando Lo Celso e Dele Alli, mais o apoio de Reguilón pela esquerda. Primeiro tempo de posse praticamente dividida e seis finalizações para cada lado.

Segundo tempo com Kanté na vaga de Mount, dando ainda mais liberdade para os alas, especialmente Marcos Alonso, que vai reeditando a fantástica temporada 2016/17 sob o comando de Antonio Conte. Forte no apoio e preciso também nas bolas paradas. Cobrando escanteio dos dois lados. Pela esquerda, colocou na cabeça de Thiago Silva para abrir o placar.

Com Lukaku bem vigiado por Romero e Dier, coube a Kanté marcar o segundo, em chute desviado em Dier. Timo Werner entrou no lugar de Havertz para tornar as transições ofensivas ainda mais rápidas, porém a dificuldade para transformar chances claras em gols permanece.

O Tottenham de Nuno Espírito Santo ficou zonzo, tentou se recuperar com substituições e Kane se juntando a Son na frente, mas cedeu espaços generosos, além de continuar com dificuldades nas jogadas aéreas defensivas. Alonso cobrou outro escanteio, desta vez pela direita, e Lloris salvou outro gol de Thiago Silva. O zagueiro brasileiro foi um dos grandes destaques, absoluto em todas as disputas.

Bem assessorado por Rudiger, que marcou o terceiro. Completando cruzamento de Werner pela direita. Se o alemão falha no toque final, contribui coletivamente. Uma marca desse Chelsea.

No final, o domínio ilustrado nos números: 53% de posse, 20 finalizações a oito, dez a dois no alvo. Os Blues sabem reagir e também dominar pelo volume, como fez na segunda etapa. 3 a 0 inquestionáveis.

Mais uma vitória com autoridade, se consolidando no topo com os mesmos 13 pontos de Liverpool e Manchester United. Só que o time de Tuchel parece mais confiável. Justamente por saber o momento de impor o próprio jogo e se adaptar aos mais diferentes contextos.

Sólido atrás e letal na frente, mesmo sem a inspiração de Lukaku nas finalizações. Por isso é o melhor time da Europa e do mundo.

(Estatísticas: SofaScore)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL