PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

São Paulo rápido e copeiro de Crespo ressurge e será um perigo no mata-mata

Rigoni e Marquinhos comemoram gol do São Paulo contra o Racing - Marcelo Endelli/Getty Images
Rigoni e Marquinhos comemoram gol do São Paulo contra o Racing Imagem: Marcelo Endelli/Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

21/07/2021 08h37

Marquinhos foi a surpresa na escalação de Hernán Crespo para a decisão da vaga nas quartas contra o Racing no Estádio Presidente Perón. O atacante de 18 anos foi o mais jovem a marcar um gol pelo São Paulo em Libertadores.

Também o personagem da vitória por 3 a 1, embora o grande destaque tenha sido Rigoni, com dois gols e muita rapidez nos contragolpes. Ambos formando uma dupla de ataque que fez lembrar os melhores momentos de Brenner e Luciano com Fernando Diniz na temporada passada.

Triunfo e classificação que renovam a esperança de um final de temporada com mais alguma conquista. Porque o São Paulo de Crespo novamente se mostrou copeiro. O time que se impôs com personalidade no Paulista, mesmo com toda pressão que colocou sobre si mesmo ao transformar em Copa do Mundo, ressurgiu na Argentina.

Repleto de juventude e vigor com Igor Vinicius e Wellington nas alas, Liziero e Gabriel Sara no meio-campo, além de Marquinhos na frente. Entregando a intensidade necessária para o modelo de jogo do treinador argentino, com marcação por encaixe e perseguições no campo todo.

Combinando com o toque preciso de experiência. De Tiago Volpi na meta, Arboleda e Miranda na defesa e Benítez sendo o meia do 3-4-1-2 que faz o time girar e a garotada correr. Transições rápidas e circulação de bola com velocidade são fundamentais nesta proposta.

É claro que o Racing facilitou o trabalho com marcação frouxa e defesa adiantada. Mas o Tricolor do Morumbi respondeu com eficiência: apenas 39% de posse e 11 finalizações, cinco no alvo. Três nas redes. 15 desarmes, 13 interceptações, 18 faltas. Um time agressivo, mordendo e acelerando.

Talhado para o mata-mata, a prioridade natural a partir de agora. A regularidade dos pontos corridos não parece ser a praia desse time, apesar da melhor campanha geral na primeira fase do estadual. Obviamente, não pode vacilar no Brasileiro e manchar feio o ano. Um novo confronto decisivo com o rival Palmeiras se avizinha na Libertadores. Mas antes tem clássico nacional com o Vasco pela Copa do Brasil.

O São Paulo redivivo será um perigo para qualquer adversário nas copas.

(Estatísticas: SofaScore)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL