PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Sem volta de Rafinha, Ceni é obrigado a olhar para Matheuzinho no Flamengo

Jogadores do Flamengo comemoram gol contra o Resende, pelo Campeonato Carioca - Jorge Rodrigues/AGIF
Jogadores do Flamengo comemoram gol contra o Resende, pelo Campeonato Carioca Imagem: Jorge Rodrigues/AGIF
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

20/03/2021 08h28

A desistência da contratação de Rafinha foi notícia mais importante no Flamengo do que a goleada protocolar do time reserva sobre o Resende por 4 a 1 no Carioca. Para não fugir do orçamento, a diretoria optou por não repatriar o lateral de 35 anos.

A decisão não é certa ou errada. É a única possível para um clube com dívidas equacionadas e que trouxe o chileno Mauricio Isla recentemente para repor a saída do próprio Rafinha para o Olympiacos, em agosto. Em tempos de pandemia e perda de receitas é isso ou começar a sair do trilho.

Até o Palmeiras, com cofres mais recheados pelas premiações de Libertadores e Copa do Brasil, teve que encerrar as negociações com o colombiano Rafael Borré, do River Plate. O cenário não é para ousadias mesmo.

Por isso é hora de olhar para dentro do elenco e buscar soluções. No Flamengo, Isla não terminou bem a temporada 2020. Muitas falhas defensivas e pouca efetividade no apoio, até porque a jogada de ultrapassagem com Everton Ribeiro ficou "manjada" pelos adversários. É a opção de amplitude e profundidade pela direita. Função importante, mas não vem sendo executada com tanta competência.

Rogério Ceni gosta de jogadores "cascudos". Já deixou claro isso em entrevistas, inclusive a concedida ao Mauro Cezar Pereira, aqui no UOL Esporte, no semanal "Dividida". Elogiou muito Leo Pereira - zagueiro que permanece no clube, enquanto Natan foi negociado com o Red Bull Bragantino - e menosprezou o bom desempenho dos garotos quando foram chamados à responsabilidade no surto de Covid-19. Elogios apenas a João Gomes e Pepê, que ganharam mais oportunidades justamente com Ceni.

Matheuzinho foi "puxado" por Domènec Torrent, mas não tem que pagar pela vaidade do atual treinador, que chegou até a improvisar Renê pela direita contra o Racing na Argentina. O jovem já entregou duas assistências para Rodrigo Muniz no estadual e, aos 20 anos, tem muito lastro para evoluir. Também precisa ajustar o posicionamento defensivo, mas carrega menos "vícios" de ala que Isla.

Também é mais jogador que João Lucas, lateral contratado ao Bangu em 2019 que nunca justificou o investimento. Conviveu com lesões e Ceni resgatou no jogo contra o Internacional no Maracanã. Teve algumas dificuldades nos duelos com Patrick, mas depois não complicou, aproveitando o cansaço do adversário e a desvantagem numérica do Colorado desde a expulsão de Rodinei, no início do segundo tempo.

Se as datas FIFA forem cumpridas no calendário, é bem possível que Isla tenha que se ausentar muitas vezes para servir à seleção do Chile. Sem contratações para o setor, Ceni será obrigado a olhar para Matheuzinho. Como ontem, no Maracanã, assistindo a equipe comandada à beira do campo por Mauricio Souza atacar forte pela direita. É o que resta, gostando ou não.

Conheça o canal de André Rocha no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL