PUBLICIDADE
Topo

André Rocha

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Abel Ferreira, Filipe Luís e a razão de quem vence

Abel Ferreira, técnico do Palmeiras, em entrevista ao "Seleção SporTV" - Reprodução / SporTV
Abel Ferreira, técnico do Palmeiras, em entrevista ao 'Seleção SporTV' Imagem: Reprodução / SporTV
André Rocha

André Rocha é jornalista, carioca e colunista do UOL. Trabalhou também para Globoesporte.com, Lance, ESPN Brasil, Esporte Interativo e Editora Grande Área. Coautor dos livros "1981" e "É Tetra". Acredita que futebol é mais que um jogo, mas o que acontece no campo é o que pauta todo o resto. Contato: anunesrocha@gmail.com

Colunista do UOL Esporte

18/03/2021 08h02

Abel Ferreira está de férias com a família em Portugal para um merecido descanso depois da maratona com o Palmeiras que chegou a 77 jogos, o máximo possível na temporada, e fazendo história com as conquistas de Libertadores e Copa do Brasil.

O treinador aproveitou para atender a imprensa brasileira com entrevistas exclusivas e tem dado declarações interessantes, seja sobre futebol ou acerca de suas preferências, como culinária, séries e outros esportes, como o automobilismo. Comprovando que é um personagem rico e com facetas curiosas.

Focando na montagem de suas equipes, dois pontos chamaram atenção.

O primeiro sobre linhas de passe. "Temos três linhas de passe: curto, longo, dentro, fora. Quem decide são os jogadores e a função do treinador é dar as soluções".

Ou seja, o jogador pode tocar para o companheiro mais próximo ou distante, pelo centro ou abrindo o jogo. E alguma vez foi diferente? É assim desde os primórdios do futebol. Desde Ademir da Guia tocando curto para Dudu, tabelando por dentro com Leivinha, passando longo para César ou abrindo o jogo com os pontas Edu e Nei.

Tivesse dito isso logo após o vexame palmeirense no Mundial de Clubes e seria ridicularizado. Como a última impressão foi ótima, com o título do mata-mata nacional, tudo que sai da boca do português soa profundo e especial, sendo aplaudido pela grande maioria, palmeirenses ou não.

O mesmo vale para sua explicação sobre jogo posicional. "Digo muito aos jogadores para aguentarem dentro do quadrado. Tem que esperar a bola chegar. Precisa de tempo para o jogador perceber que pode jogar muito, mesmo sem tocar na bola".

A mesma ideia que é tratada no Brasil por muita gente, sem nenhuma razão, como um jogo "estático", "engessado", "futebol de totó (ou pebolim)". Inclusive pelo comentarista Pedrinho, que dialogou tranquilamente com Abel no "Seleção Sportv", mas despejava críticas em Domènec Torrent, na passagem do treinador catalão pelo Flamengo, por conta desse mesmo estilo.

Qual a diferença? Abel Ferreira foi campeão, Domènec não. Simples assim.

Já Filipe Luís foi entrevistado no programa "Último Lance", na TNT Sports Brasil. O lateral do Flamengo afirmou que pediu para o árbitro Raphael Claus não expulsar Rodinei depois da entrada dura do jogador do Internacional no início do segundo tempo da partida entre as equipes no Maracanã.

- O Rodinei é muito meu amigo, sou amigo da família, amo esse cara, ganhei um título com ele. Isso não se esquece. Quando ele pisou no meu tornozelo, eu sabia que seria expulso. Eu falei para o juiz para não expulsá-lo. Mas ele foi ao vídeo, avaliou e expulsou. Quem sou eu para falar depois disso. Sabendo de quem se trata, do jogo que era, eu e Diego tivemos essa iniciativa de falar com o árbitro - afirmou Filipe.

É isso mesmo. No contexto da partida mais importante da edição 2020 da principal competição nacional, Filipe Luís e Diego pediram para o árbitro não expulsar um adversário. Colocando a amizade acima da disputa pelo título e tentando interferir no trabalho que não é deles. Para proteger um jogador profissional, maior de idade e que sabia o risco que corria ao acertar o tornozelo de um oponente com aquela intensidade.

Uma declaração absurda, sob qualquer prisma. Mas que foi suavizada e relativizada pela maioria, só porque o Flamengo venceu aquela partida e depois foi bicampeão brasileiro. Se os rubro-negros tivessem deixado o título escapar, ele nem se arriscaria a dar esse depoimento, simplesmente porque a simples cara de reprovação quando Klaus mostrou o cartão vermelho a Rodinei seria lembrada e muito criticada. Mesmo com a bela história de Filipe Luís no clube e sua moral de jogador experiente, com vivência de Europa e um olhar diferente, acima da média brasileira.

Mas o olhar muda conforme o resultado final. Abel Ferreira e Filipe Luís venceram, então têm razão. Sempre. É assim que funciona.

Conheça o canal de André Rocha no YouTube

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL