Alicia Klein

Alicia Klein

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
OpiniãoEsporte

Com Vasco à espera de milagres, Palmeiras joga tranquilo e vence 1a em casa

Os primeiros dez minutos de partida no Allianz Parque foram um amasso digno do abismo que separa os dois clubes.

O domínio alviverde se consolidou aos 26 minutos: em cinco toques, começando por Weverton e terminando na bela assistência do garoto remanescente Estêvão para o gol de direita do escanteado uruguaio Piquerez.

Se o Vasco já não tinha meio-campo com Payet, sem o francês a resistência quase inexistiu: o Palmeiras fechou o primeiro tempo com 64% de posse de bola e 19 finalizações, sendo cinco no alvo. O Vasco chegou quatro vezes, errando a meta em todas.

Perto do volume de jogo, 1 a 0 saiu de bom tamanho para os visitantes, que contaram com mais uma boa atuação do goleiro Léo Jardim.

Depois de outro erro não forçado do Vasco e em mais uma jogada com passe de Marcos Rocha, Estêvão avançou na base do talento, desceu à linha de fundo e tocou com açúcar para Rony deixar o seu 66o tento pelo Alviverde: 2 a 0, aos 11 da segunda etapa.

Pouco depois, Vegetti, milagrosamente artilheiro do campeonato, recebeu linda bola de Lucas Piton e marcou para o Vasco, mas a arbitragem entendeu que ele fez falta em Murilo e anulou o lance.

Aos 35, a bola correu de pé em pé, em tabela de Mayke com Veiga, que sobrou para Rocha encontrar Zé Rafael sozinho na área. Golaço. De novo, o VAR interferiu e anulou o gol, apontando falta de Aníbal Moreno no início da jogada.

No fim das contas, o Cruzmaltino permitiu quase 30 finalizações (só Raphael Veiga arrematou nove vezes), oferecendo ao Palmeiras sua primeira vitória em casa no Brasileirão, depois de um empate no Allianz e duas derrotas em Barueri, sem marcar um único gol. Mesmo sem enorme brilho, o time de Abel Ferreira finalmente jogou bem, com foco e organização — o que na janela da Copa América não é pouca coisa.

Quanto ao Vasco, nem os louvores pré-jogo do Cabo Daciolo darão jeito na vida de Álvaro Pacheco, enquanto ele precisar enfrentar adversários fortes sem defesa, sem meio de campo e sem dono. Vegetti não fará milagres.

Continua após a publicidade

Siga Alicia Klein no Instagram e no Twitter

Leia todas as colunas da Alicia aqui

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Deixe seu comentário

Só para assinantes