PUBLICIDADE
Topo

Alicia Klein

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Palmeiras enfrenta calendário e, agora, reservas ruins

William Pottker tenta jogada pelo Avaí em jogo contra o Palmeiras pelo Brasileirão 2022 - R.Pierre/AGIF
William Pottker tenta jogada pelo Avaí em jogo contra o Palmeiras pelo Brasileirão 2022 Imagem: R.Pierre/AGIF
só para assinantes
Alicia Klein

Alicia Klein tem quase 20 anos de mercado esportivo em posições de liderança no Brasil e no exterior. Escreveu a biografia de Michael Schumacher, trabalhou na NFL, no universo olímpico e no da Copa do Mundo. Decidiu que é hora de falar sobre misoginia, racismo, trabalho infantil e tudo que o esporte aceita em nome dos resultados dentro e fora de campo.

27/06/2022 12h21

Terminada a semana de três jogos (São Paulo na segunda e na quinta, Avaí no domingo), o saldo do Palmeiras não foi ruim. Ao contrário das atuações de Jorge, Breno Lopes e Rafael Navarro, ontem.

O alviverde vem sendo louvado pela qualidade e extensão do seu elenco, na comparação com os demais. O que se viu na Ressacada, no entanto, foram reservas muito, muito abaixo dos titulares.

Jorge atuou na vasta maioria do tempo com o freio de mão puxado. Breno Lopes e Rafael Navarro seguem sendo centroavantes que não marcam gols. O jovem que parecia ter desencantado na Libertadores passa em branco há 13 jogos. O herói da Libertadores 2020, há 12.

O Palmeiras disputou 75% das mais de 40 partidas deste ano com um intervalo de dois dias. Que é o mínimo permitido, e não o recomendado pela FIFA, de três dias.

Ou seja, não vai dar para usar força máxima. Primeiro, porque as lesões não deixarão. Segundo, porque ninguém vai aguentar, nem os saudáveis.

O confronto contra o Avaí era o momento ideal para poupar, às vésperas da partida de ida pelas oitavas da Libertadores, também fora de casa. Com esse planejamento, a equipe deve ter todos os titulares disponíveis contra o Cerro Porteño, na quarta-feira.

Emprestando aqui o levantamento feito pelos colegas do Nosso Palestra, apenas em junho, o Palmeiras recuperou:

Raphael Veiga: lesão muscular na coxa direita (fora por três semanas)

Mayke: inflamação no calcanhar direito (fora por um mês)

Marcos Rocha: mialgia na coxa direita (fora por dez dias)

Luan: lesão no músculo reto-femoral da coxa esquerda (fora por seis meses)

Jorge: trauma no joelho direito (fora por dez dias)

Piquerez: lesão muscular na coxa esquerda (fora por um mês)

Gabriel Veron: edema na coxa esquerda (fora por um mês)

Ontem, Abel Ferreira deu mais uma declaração sobre o calendário. Algo que ele faz independentemente do resultado, ao contrário do que dizem alguns.

"Eu sou religioso e eu rezo, né? Com a quantidade de jogos que há, eu rezo. Vocês viram os jogadores que se lesionaram contra o Flamengo, no jogo do Corinthians, no jogo do Atlético-MG. O que eu faço, pois não sou mágico, é pedir para que eu continue a ter saúde e agradeço todos os dias por isso. Pedir também que ele não nos ajude no jogo, pois Deus não se mete no jogo, mas que nos dê saúde para podermos jogar. Portanto, essa é a parte que eu faço."

Rezar pode não adiantar. Fazer mágica talvez seja a única solução. Uma que possa recuperar o futebol de Jorge, Navarro e Breno Lopes, idealmente.