PUBLICIDADE
Topo

14 Anéis

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Analisando as escolhas de primeira rodada do Draft da NBA, Parte 2

O pivô turco Alperen Sengun foi anunciado como escolha do OKC Thunder, mas foi trocado para o Houston Rockets no Draft da NBA - Brian Babineau/NBAE via Getty Images
O pivô turco Alperen Sengun foi anunciado como escolha do OKC Thunder, mas foi trocado para o Houston Rockets no Draft da NBA Imagem: Brian Babineau/NBAE via Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Vitor Camargo

Vitor Camargo é economista formado pela Faculdade de Economia e Administração da USP. Desde 2011 escreve sobre esportes americanos, com passagens por Yahoo, Gazeta do Povo e o seu próprio site, o Two-Minute Warning. Foi comentarista de beisebol na Fox Sports e consultor técnico na tradução do livro Moneyball (2011). É autor do livro Era de Gigantes (2019), o primeiro sobre a história da NBA escrito no Brasil, e apresentador do podcast Na Era do Garrafão.

Colunista do UOL Esporte

31/07/2021 04h00

Parte 2 da análise do 14 Anéis avaliando todas as 30 escolhas de primeira rodada do Draft da NBA. Na Parte 1, falei das escolhas entre a #1 e #10, então agora vamos para as de #11 a #20. A terceira e última parte vai ao ar domingo, com o #21 até #30.

Lembrando que nós cobrimos todo o evento em tempo real no UOL Esporte, então se quiser ler comentários e opiniões sobre toda a primeira rodada com mais profundidade e complexidade, é só entrar no link que ainda está lá tudo que falamos sobre a noite do Draft.

Lembrando que as notas em si são mais minhas reações imediatas e não fruto de clarividência - e, como sempre, não devem ser levadas a sério demais.

#11. Charlotte Hornets - James Bouknight
Nota: A

Eu realmente gostei demais dessa escolha. Bouknight era cotado por muitos na escolha #6, do Thunder, e pegar ele no #11 é um ótimo valor. Mas talvez mais do que isso, ele é um excelente encaixe nos Hornets e oferece a eles um pontuador nato para dominar os jogos individualmente - algo que faltou ano passado quando Rozier não estava em um bom dia. Ele também é um encaixe perfeito com LaMelo Ball, dando aos Hornets um dos mais interessantes combos de jovens armadores na NBA. Se seu arremesso de fora se realizar como muitos esperam, vai ser uma combinação feita sob medida entre time e jogador.

#12. San Antonio Spurs - Joshua Primo
Nota: C-

Eu até consigo entender o que os Spurs enxergam em Primo: é um bom arremessador (algo que falta urgentemente no seu núcleo de jovens jogadores) e o atleta mais jovem do Draft, então claramente é uma opção pensando no médio/longo prazo. Primo tem considerável potencial para crescer dos dois lados da quadra e projeta ter o tipo de jogo completo e versátil que San Antonio sempre privilegiou. Pode ser que daqui a uns 5-6 anos ele realize muito desse potencial e essa nota pareça burra.

Mas Primo também ainda é bastante cru, tornando essa uma aposta de risco alto para o #12, e muito questionável em termos de valor: a maioria dos especialistas tinha Primo como escolha de fim de primeira rodada ou até de segunda, e ver ele saindo na loteria na frente de muitos jogadores melhores foi um gigantesco choque. Pode ser que de certo? Sim, Draft é imprevisível, mas em um primeiro momento pareceu um gigantesco reach.

#13. Indiana Pacers - Chris Duarte
Nota: B-

Duarte é um jogador mais velho e experiente, o melhor arremessador do Draft e com um jogo completo e inteligente, que dificilmente vai elevar uma equipe sozinho mas pode ser o complemento ideal para uma equipe já pronta - não à toa estava muito associado ao Golden State Warriors no #14, um time que quer brigar pelo título no curto prazo.

Sua opinião dessa escolha, portanto, depende de como você enxerga o Pacers nesse contexto: se achar que o time já está redondo em talento e precisa apenas de complementos pontuais ao redor desse núcleo, Duarte faz todo o sentido; se achar que o time está preso em ser apenas ok e deveria ir atrás de um jogador que pudesse mudar a equipe de patamar, provavelmente vai achar uma escolha conservadora demais. Ambos são válidos como ponto de vista, mas eu estou otimista de modo geral com Indiana e acho que Duarte vai encaixar bem na equipe.

#14. Golden State Warriors - Moses Moody
Nota: A

Eu ADORO Moses Moody, e é o jogador perfeito para os Warriors: uma escolha segura para contribuir no curto prazo com boa defesa, enorme versatilidade desse lado da quadra, inteligência em quadra e um arremesso sólido - capaz de entrar e jogar como 3-and-D já no seu primeiro ano - mas com ainda bastante espaço para desenvolver suas habilidades de criação e se tornar um pontuador mais completo. Além disso, caso os Warriors ainda tenham interesse em trocas suas "escolhas", Moody é um jogador muito bem cotado que mantém excelente valor de troca mesmo após o Draft. Perfeita mistura de curto e longo prazo para um time que quer brigar por títulos em 2022.

#15. Washington Wizards - Corey Kispert
Nota: C

Não sei se vocês ouviram, mas os Wizards fizeram uma grande troca ao enviar Russell Westbrook na noite do Draft para o Los Angeles Lakers - mas, como a troca não pode ser oficializada por mais uma semana, ela ainda pode mudar ou crescer, então vamos aguardar para falar dela em mais detalhes. Mas uma das ramificações da troca foi: o que isso significa para Bradley Beal? Os Wizards pretendem trocar ele também e reconstruir, ou a ideia é insistir ao redor do All Star?

A escolha de Kispert parece indicar fortemente o segundo, um jogador de alto piso mas potencial limitado que encaixa bem no time e vai contribuir de imediato, mas dificilmente eleva a equipe a um patamar diferente. Sua capacidade como arremessador é ótima e o resto do seu jogo mais sólido do que recebe crédito, mas nós vimos ele ser completamente exposto na reta final do March Madness contra times mais atléticos e longos - exatamente o que via encontrar na NBA. Washington claramente foi atrás de um jogador capaz de contribuir de imediato, mas o quanto essa contribuição realmente muda a situação da franquia? Meu problema é menos como o jogador, e mais com o processo envolvido.

#16. Houston Rockets - Alperen Sengun
Nota: A

Escolha originalmente do Thunder, ela foi trocada para os Rockets por duas escolhas futuras de primeira rodada altamente protegidas. E embora eu entenda que a ideia de OKC seja acumular o máximo de ativos, em algum momento você precisa fazer algo de real com esses ativos, e deixar passar um jogador de potencial como Sengun em um excelente Draft por escolhas tão duvidosas no futuro é o tipo de movimento que me faz questionar toda a estratégia de OKC.

Lucro dos Rockets, que se aproveitaram para pegar um jogador extremamente intrigante, alguém com legítimas questões na NBA quanto ao seu jogo old school e falta de defesa, mas que foi extremamente produtivo na Europa aos 18 anos - vencendo inclusive o MVP da liga turca - e tem um jogo de garrafão muito refinado e técnico. Alguns acham que Sengun não vai ser mais que um bom reserva pelas limitações defensivas, mas o potencial ofensivo é enorme e vale demais a aposta. Adorei a escolha.

#17. New Orleans Pelicans - Trey Murphy
Nota: B+

Essa aqui eu cravei no nosso Mock Draft do 14 Anéis. Era um encaixe que fazia sentido demais: um dos melhores arremessadores do Draft e jogador cerebral de alto piso e defesa versátil indo para um time cheio de talentos, mas que precisa desesperadamente de espaçamento de quadra ao redor de Zion Williamson, melhor tomada de decisões e melhorar sua defesa. Murphy não tem tanto potencial, mas oferece tudo que o time precisa e é uma escolha difícil de errar para um time que - ao contrário dos Wizards - já tem talento de sobra em mãos e precisa mesmo é desses jogadores que liguem os pontos já presentes no elenco.

#18. Oklahoma City Thunder - Tre Mann
Nota: B

Talvez um pouco cedo para Mann, que era cotado mais para o fim da primeira rodada, mas eu gostei da escolha mesmo assim. Mann é um armador com ótimos fundamentos, bom arremesso e domínio de bola, cujo principal problema sempre foi a falta de habilidade atlética para se sobressair. Mais atleticismo e explosão sem dúvida ajudam a criar separação e espaços, e é algo que limita mesmo o quanto Mann pode render, mas jogadores com seu combo de controle de bola e chute são capazes de criar espaços com seu próprio ritmo, e ajuda muito que Mann vai para uma equipe com tantos outros bons criadores em Giddey, SGA e até Poku e que portanto não vai depender tanto dele ser o iniciador primário o tempo todo. Tem um bom potencial a ser desenvolvido, e acho um ótimo encaixe para o jogador.

#19. Charlotte Hornets - Kai Jones
Nota: A-

Admito que não entendi qual foi a dos Knicks trocando essa escolha por um escolha futura altamente protegida que com quase toda certeza não vai ser tão boa quanto essa em um Draft excelente, mas para Charlotte foi ótimo. Eu cheguei a cogitar Kai Jones indo para os Hornets na #11, mas parecia cedo demais para ele sair; conseguir Jones no #19, por outro lado, é uma grande vitória. Jones é extremamente cru e precisa desenvolver seu jogo, mas ele chega para a posição mais carente da equipe, a de pivô, e oferece um potencial gigantesco: ótimo protetor de aro, muito atlético no ataque cortando para a cesta e finalizando no ar, devastador em transição, exatamente o conjunto de habilidades que você quer para cercar LaMelo Ball e esse ataque dos Hornets. Existe uma chance bem real de que Jones não desenvolva o suficiente e seja só um reserva cru para o resto da carreira, sem dúvida, mas no #19 e considerando seu potencial E o encaixe, é uma aposta extremamente válida a essa altura.

#20. Atlanta Hawks - Jalen Johnson
Nota: B+

Outra escolha que eu cravei no Mock Draft, e eu adoro esse encaixe para Atlanta. Johnson é um tipo de jogador que o time não tem, e precisa com certa urgência: um defensor versátil e atlético que funciona muito bem como playmaker secundário fazendo passes rápidos em movimento após receber a bola. Seu jogo ofensivo é bastante cru e ele sofre para aliar seu bom passe com capacidade de criação, mas com Trae Young ele não vai precisar criar muito do zero - apenas funcionar como válvula de escape no pick-and-roll ao estilo Draymond Green para passes rápidos, e correndo em transição. Ótimo jogador, ótimo encaixe, Atlanta continua zerando o Draft.

Continua...

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL