PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Fernando Fernandes reflete sobre isolamento: "Sozinho a gente se encontra"

Fernando Fernandes mantém a forma em uma academia que montou na sua casa - Divulgação/Globo
Fernando Fernandes mantém a forma em uma academia que montou na sua casa Imagem: Divulgação/Globo

Do UOL, em Porto Alegre

11/05/2020 08h56Atualizada em 11/05/2020 10h45

Tetracampeão mundial de paracanoagem, Fernando Fernandes afirmou que tem refletido bastante durante a quarentena. Em meio aos treinamentos físicos em casa, o ex-BBB falou à Quem sobre o momento de isolamento.

"Por lidar com esporte, sei que é sozinho que a gente se encontra. É sozinho que a gente se reenergiza e se foca para ter o objetivo maior. É um tempo de entendimento, de reflexão e de aproveitar, como nunca antes, o prazer de estar em casa, comer bem, se cuidar fisicamente, ouvir boas músicas, de enxergar o lado bom, ler bons livros, criar uma proximidade com pessoas do bem e sempre visualizar o futuro", disse Fernando.

Para manter a forma e o ritmo, ele montou uma academia em casa e segue realizando treinamentos regularmente.

"Faço atividade física, sim. Um tempo atrás, devido ao trânsito e viagens, resolvi montar uma academia dentro de casa. Tirei minha mesa de jantar, coloquei alguns aparelhos de musculação e bike ergométrica. Foi minha salvação, porque é com esses aparelhos que consigo me manter em forma e em alta performance", disse. "Agora é hora do improviso. Eu me tornei um mestre do improviso, principalmente após minha lesão", completou.

Fernando garantiu que respeita as regras de isolamento social e valoriza a responsabilidade de cada um para restabelecer a normalidade. Ele citou a superação pela qual passou no acidente de carro em 2009 que ocasionou uma grave lesão na coluna.

"Vejo esse período de isolamento social primeiro como uma necessidade, que não tem como a gente fugir dele. Já passei por uma superação pessoal e superei porque naquele momento entendi o que estava acontecendo. Aceitei aquele fato, porém não me conformei com ele. Sabia que não dependia de mim e do meu esforço para voltar a andar, mas dependeria do meu esforço e da minha vontade de me regenerar como ser humano e como pessoa e voltar para o mundo seja de que forma fosse. Não cabe a nós decidirmos se vamos voltar, a hora que vai voltar. Temos que esperar e aceitar", finalizou.

Esporte