PUBLICIDADE
Topo

Esporte

McGregor bateu mais que boxeadores de elite em Mayweather. Entenda por quê

McGregor na ofensiva contra Mayweather: cena recorrente dos três primeiros rounds - Isaac Brekken/AP
McGregor na ofensiva contra Mayweather: cena recorrente dos três primeiros rounds Imagem: Isaac Brekken/AP

Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

28/08/2017 04h00

A vitória de Floyd Mayweather contra Conor McGregor no combate que aconteceu na madrugada do último domingo (27), em Las Vegas, já era esperada. Afinal, tratava-se do maior boxeador da era moderna, invicto em 49 lutas profissionais, contra um lutador de MMA fazendo sua estreia em um esporte diferente. Floyd aplicou seu plano de jogo, dominou Conor a partir do quarto round e ganhou sem problemas. Mas isso não quer dizer que a apresentação do irlandês foi totalmente desprezível.

Pelo contrário, para um estreante no boxe, McGregor foi melhor do que o esperado. Começou agressivo, conseguiu encaixar alguns bons golpes, durou até o décimo round. E os números reforçam isso: segundo o sistema de medição de socos CompuBox, usado internacionalmente no esporte, o campeão do UFC conectou 111 golpes, um volume superior ao conseguido por boxeadores de elite como Manny Pacquiao (81), Miguel Cotto (105), Shane Mosley (92) e Ricky Hatton (63) contra o mesmo Mayweather.

Isso quer dizer que McGregor é superior a todos esses pugilistas renomados dentro de um ringue? Óbvio que não. Conor teve uma apresentação digna para um estreante, mas o volume de socos, sozinho, não conta a história inteira de uma luta. Entenda a seguir, em cinco motivos, por que o irlandês do UFC bateu mais em "Money" Mayweather que todos esses outros rivais.

1 – A estratégia de Floyd

Floyd ri - Steve Marcus/Reuters - Steve Marcus/Reuters
Imagem: Steve Marcus/Reuters

Mayweather afirmou com todas as letras após a luta que parte de sua estratégia era justamente deixar McGregor descer o braço nos primeiros rounds. O objetivo do norte-americano era explorar a baixa resistência do irlandês, acostumado a lutar no máximo 25 minutos no MMA – e mesmo no octógono, ele já havia mostrado sinais de cansaço nos rounds finais. Nos três primeiros rounds, Floyd mal deu um soco: só se defendeu, deixou Conor gastar energia em golpes pesados que não causaram dano significativo e estudou o estilo do adversário, para só a partir do quarto assalto começar a atacar.

2 – O estilo inusitado de Conor

McGregor prepara - Sean M. Haffey/Getty Images/AFP - Sean M. Haffey/Getty Images/AFP
Imagem: Sean M. Haffey/Getty Images/AFP

Conor nunca lutou boxe na vida. Ele é lutador de MMA, e fez treinos específicos de boxe apenas por alguns meses para essa luta. E isso ficou bem claro na postura adotada pelo irlandês no ringue. Com movimentações inusitadas e ângulos nada ortodoxos para um pugilista, McGregor conseguiu gerar uma leve incerteza em Floyd, especialmente no primeiro round, quando o irlandês conectou um lindo uppercut de esquerda em contra-ataque. O começo foi melhor que o esperado, mas o gênio defensivo Mayweather conseguiu rapidamente ler o jogo do rival e se adaptar ao desafio que estava à sua frente, encurtando a distância e anulando a maior parte do arsenal ofensivo de Conor a partir do quarto round.

3 – A idade e a longa inatividade de Floyd

Floyd cinturão - Steve Marcus/Reuters - Steve Marcus/Reuters
Imagem: Steve Marcus/Reuters

É verdade que Mayweather deu uma aula de boxe diante de um novato na modalidade, dominou a luta e mereceu o nocaute técnico. Mas é também verdade que a apresentação de Floyd não lembrou nem de longe os melhores momentos do lutador metódico e quase inatingível que conquistou títulos mundiais em cinco categorias diferentes no boxe. Os reflexos, a velocidade, o jogo de pernas, tudo isso foi abaixo do que Floyd já apresentou um dia. E não é para menos: ele está com 40 anos de idade e sua última luta profissional havia sido há quase dois anos. A diferença de nível para McGregor foi nítida, mas também foi claro que o auge de Mayweather já passou. Ele para na hora certa.

4 – Os socos inofensivos de McGregor

Conor bate - Christian Petersen/AFP - Christian Petersen/AFP
Imagem: Christian Petersen/AFP

McGregor pode ter conseguido superar a lendária guarda de Mayweather mais vezes que muitos boxeadores profissionais, mas isso não significa que ele tenha causado mais dano. A grande maioria dos golpes de Conor que conectou não causou problemas significativos. Além do já mencionado uppercut no início, houve também um soco no corpo que pareceu ter machucado Floyd no nono assalto (o norte-americano reclamou de golpe baixo). O restante, especialmente após o irlandês começar a cansar a partir do quinto round, foi praticamente inofensivo, e os jabs que entraram também não surtiram efeito. Nos últimos assaltos, os ataques do esgotado McGregor já pareciam mais empurrões que socos. Mayweather, como de costume, saiu do ringue com o rosto limpo.

5 – A rara agressividade de Floyd

Floyd bate - Steve Marcus/Reuters - Steve Marcus/Reuters
Imagem: Steve Marcus/Reuters

Um dos grandes motivos para Mayweather ter encerrado a carreira invicto em 50 combates profissionais é que ele não se arrisca. O roteiro típico de uma luta de Floyd é: ele começa na defensiva, estuda o adversário por alguns rounds, se adapta ao estilo ofensivo do rival e começa a pontuar, principalmente com contra-ataques certeiros em meio a um show defensivo de guarda, esquivas e pêndulos. Ele normalmente não tenta nocautear se tem a certeza de que vai ganhar na decisão dos juízes. Não foi o que aconteceu contra McGregor: Floyd se abriu muito mais do que o normal e mostrou uma rara agressividade, buscando claramente o nocaute a partir da metade da luta. E naturalmente, isso abriu mais janelas de oportunidade para que Conor acertasse seus golpes.

Esporte