PUBLICIDADE
Topo

Basquete

NBA volta com protesto contra o racismo e incentivo ao voto nas eleições

Giannis Antetokounmpo, Milwaukee Bucks, se ajoelha em protesto antirracismo antes de jogo contra o Orlando Magic - Kevin C. Cox/Getty Images
Giannis Antetokounmpo, Milwaukee Bucks, se ajoelha em protesto antirracismo antes de jogo contra o Orlando Magic Imagem: Kevin C. Cox/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

29/08/2020 19h08

Manifestações contra o racismo e incentivos ao voto nas eleições de novembro marcaram o retorno dos playoffs da NBA hoje (29) na Flórida. Dentro da quadra, o Milwaukee venceu por 118 a 104, com grande atuação do grego Giannis Antetokounmpo, e avançou nos playoffs com um 4 a 1 no duelo. Enfrentará agora o Miami Heat.

Fora da quadra, o ativismo dos jogadores da liga de basquete americana deu a tônica do retorno.

A NBA foi interrompida na última quarta-feira, quando atletas do Milwaukee Bucks se recusaram a entrar em quadra contra o Orlando em protesto contra o racismo e a violência policial. Em efeito dominó, o boicote foi seguido por outras duas partidas naquele dia e por equipes de outras ligas, como a WNBA e as ligas de futebol e beisebol.

Hoje, atletas, árbitros e membros da comissão técnica, vestidos com camisetas em alusão ao movimento "Vidas Negras Importam", se ajoelharam para ouvir o hino nacional. O gesto representa o ativismo antirracista desde que o jogador de futebol americano Colin Kaepernick começou a fazê-lo na NFL, em 2016.

Antes do jogo, a NBA também fez um minuto de silêncio em homenagem ao ex-jogador Clifford Robinson, o ex-técnico Lute Olson e o ator Chadwick Boseman, intérprete do herói "Pantera Negra", que morreram recentemente.

Na transmissão, a ESPN exibiu um vídeo com uma espécie de manifesto, no qual o narrador relata as manifestações dos atletas contra a violência policial e pergunta quantos mais negros precisarão morrer para a situação mudar.

Giannis - Kevin C. Cox/Getty Images/AFP - Kevin C. Cox/Getty Images/AFP
Imagem: Kevin C. Cox/Getty Images/AFP

Os jogadores e técnicos também entraram em campanha para incentivar a votação nas eleições presidenciais de novembro. Nos EUA, o voto não é obrigatório. A liga já anunciou que todas as suas arenas poderão ser usadas como locais de votação no pleito, oferecendo mais uma possibilidade ao voto presencial "e seguro" durante a pandemia do novo coronavírus.

Steve Clifford, técnico do Magic, usando um selo na camiseta com a frase "Técnicos pela Justiça Social", conclamou os torcedores a votar nas eleições de novembro, que vão opor o atual presidente Donald Trump e o democrata Joe Biden. "É importante não apenas ir votar, mas convencer seus amigos a votar. E não apenas nacionalmente, mas localmente. A mudança começa quando se formam lideranças locais."

A campanha para ampliar a conscientização e o acesso ao voto foi uma das exigências feitas pelos jogadores nas negociações para o retorno da liga.

Os protestos foram encabeçados pelos jogadores do Bucks, cuja sede fica no estado de Winsconsin, palco do incidente que gerou revolta e manifestações de rua nos EUA. No dia 23 de agosto, Jacob Blake, um homem negro de 29 anos, levou sete tiros pelas costas depois de ser abordado por uma equipe policial em Kenosha.

Durante os intervalos, jogadores e técnicos da liga apareceram em inserções para pedir justiça social.

"É inaceitável", comentou Anthony Davis, ala-pivô dos Lakers, sobre a agressão sofrida por Blake. "Vamos continuar falando sobre isso e pedindo justiça."

"Você não precisa ser negro para se revoltar. Você só precisa ser americano para se revoltar com essa cena", disse o técnico Doc Rivers, do Los Angeles Clippers. "Não queremos tirar os recursos da polícia. O que queremos é reformar a polícia para que ela nos proteja."

Em quadra, com exceção de uma queda de ritmo no quarto quarto, o Bucks manteve a superioridade sobre os rivais vista nas partidas anteriores e fechou a série em 4 a 1. Com 28 pontos, 17 rebotes e três assistências, Giannis Antetokounmpo foi mais uma vez o grande destaque da partida.

"Fizemos um movimento poderoso ao decidir não jogar e falar alto contra uma situação inaceitável. Incentivamos outra ligas a fazer o mesmo e aproveitamos a nossa plataforma para passar nossa mensagem", disse Antetokounmpo após o jogo.

Completam a rodada dos playoffs de hoje o Los Angeles Lakers, de LeBron James, enfrentando o Portland Trail Blazers, além de Oklahoma City Thunder contra Houston Rockets.

Basquete