Topo

Basquete


Como lema traduz favoritismo dos atuais campeões da NBA nas finais do Oeste

Draymond Green e Stephen Curry comemoram vitória sobre o Houston Rockets que colocou o Golden State Warriors na final da Conferência Oeste - Thomas B. Shea/USA TODAY Sports
Draymond Green e Stephen Curry comemoram vitória sobre o Houston Rockets que colocou o Golden State Warriors na final da Conferência Oeste Imagem: Thomas B. Shea/USA TODAY Sports

Danilo Silvestre

Colaboração para o UOL, do Bola Presa*

14/05/2019 04h00

Não há nada surpreendente em vermos mais uma vez o Golden State Warriors disputar as Finais de Conferência. Hoje, às 22h, os Warriors disputarão pela quinta vez consecutiva o topo da Conferência Oeste, tendo vencido as últimas quatro dessas disputas e três títulos de campeão geral da NBA nesse período.

Depois de encabeçar uma revolução na maneira de se jogar basquete nos últimos anos - dando mais importância para os números, os dados e as estatísticas do que para a intuição ou o físico dos jogadores - e implementar um modelo tático que se tornou padrão para a NBA, Warriors surpreenderia não chegasse à essa etapa da competição. O trajeto, no entanto, não foi tão simples como se imaginava, especialmente por conta dos desfalques que assolaram a equipe.

Lesões

O pivô DeMarcus Cousins, estrela do New Orleans Pelicans até a temporada passada, decidiu assinar com os Warriors por apenas um ano enquanto se recuperava de uma grave lesão, na esperança de retomar sua forma física e mostrar, durante os playoffs da NBA, que ainda era capaz de jogar basquete em alto nível. A contratação, que parecia tornar os Warriors ainda mais imbatíveis depois dos três títulos em quatro anos, ganhou um gosto amargo após Cousins se lesionar novamente e desfalcar o elenco para a pós-temporada.

Além dele, Kevin Durant, eleito Jogador Mais Valioso da NBA em 2014 e que decidiu unir-se aos Warriors em 2016, quando o time já era campeão, também desfalcou a equipe nas semifinais da Conferência Oeste após uma lesão na panturrilha. Sem Durant, considerado por muitos o principal jogador de sua equipe na atual temporada, os Warriors sofreram pressão, mas ainda assim foram capazes de derrotar o Houston Rockets, um time montado milimetricamente com a pretensão de desbancar os atuais campeões. Ou seja, embora a chegada às Finais da Conferência Oeste seja mais do que esperada, não faltaram sustos: ao invés de um time abarrotado de estrelas, as lesões forçaram um retorno ao Warriors campeão em 2015, que chegou ao título com um elenco subestimado apoiado apenas em seu estilo de jogo revolucionário.

Força nos números

O lema da equipe, "força nos números", é uma expressão da língua inglesa que aponta para o fato de que um grupo de indivíduos é mais forte do que um indivíduo sozinho. No caso dos Warriors, no entanto, a expressão vai além: a força do coletivo é embasada por números matemáticos.

Contrariando os vícios, as intuições, as superstições e os maneirismos que o basquete ganhou ao longo de mais de 100 anos de esporte, os Warriors resolveram confiar nas estatísticas, nos dados e nas planilhas. Descobriram que os arremessos de três pontos valiam à pena matematicamente mesmo sendo mais difíceis, e que arremessos ainda mais de longe, alguns passos para trás da linha do perímetro, poderiam ser recompensadores por serem tradicionalmente menos marcados. Através dos números, o time percebeu também que movimentar a bola era mais importante do que deixá-la nas mãos de uma estrela solitária, e que não era necessário um jogador muito alto próximo ao aro para defendê-lo contra os oponentes. Mas para aplicar esse modelo inusitado de basquete seriam necessários jogadores igualmente inusitados, capazes de acreditar nos números - não só nas planilhas e nos seus companheiros, mas também em suas próprias características individuais "exóticas". E foi assim que Stephen Curry, um jogador que seria repreendido em qualquer equipe de basquete por tentar arremessos "indesejáveis", distantes demais da cesta, se tornou uma das maiores estrelas da história do esporte.

O bom arremesso

O Golden State Warriors fez o mundo do basquete se questionar a respeito do que é, de fato, um "bom arremesso". Com o apoio das estatísticas, jogadores com excelente aproveitamento de longa distância receberam carta branca para arremessar bolas que, uma década antes, seriam totalmente reprováveis. A crença de que chegar mais perto da cesta melhora necessariamente suas chances de acerto não tem nenhum respaldo matemático: graças às defesas bem posicionadas, arremessar nas proximidades do aro pode ser estatisticamente menos eficiente do que dar muitos passos para trás.

E foi dando muitos, muitos passos para trás que o armador Damian Lillard converteu o arremesso decisivo que classificou o Portland Trail Blazers às semifinais da Conferência Oeste. Precisando de uma cesta de três pontos para vencer a série contra o Oklahoma City Thunder, Lillard cravou seus pés quase no meio da quadra, à altura do logotipo que adorna o piso, e pontuou dali. Para seus adversários, tratou-se de um "péssimo arremesso", mas não é o que nos conta as estatísticas: Lillard tentou quatro arremessos da mesma distância na série contra o Thunder e converteu todos eles. Aproveitando-se da incredulidade de seus defensores, o armador tentou esses arremessos de longa distância com pouca ou nenhuma marcação. Para ele, o arremesso não é "péssimo", mas sim "confortável". Seu apelido, "Logo Lillard", dedura justamente seu aproveitamento com os pés sob o logotipo, ali perto do meio da quadra.

Damian Lillard , no entanto, jamais teria recebido permissão de seus técnicos para tentar esse tipo de arremesso se não fosse por Stephen Curry e a revolução proposta pelos Warriors. O que teremos nesse confronto, portanto, é uma imagem dos novos tempos do basquete: todas as pré-concepções de como o esporte deve ser jogado foram derrubadas. Veremos o embate entre dois jogadores que não temem as bolas de longuíssima distância, não apenas porque são confiantes, mas porque estão amparados por anos e anos de análise estatística - e os três campeonatos dos Warriors para coroá-las.

Desacreditados

O Portland Trail Blazers chega às Finais de Conferência com um time limitado, desfalcado por lesões e amplamente desacreditado. Essa situação, entretanto, não é "péssima", mas sim "confortável" para Damian Lillard. O jogador está acostumado a não ser levado a sério, como prova o desdém de seus adversários quando acertou o arremesso decisivo quase do meio da quadra. Seu time não foi considerado candidato ao título por anos e, sem grandes reforços, só restou contar com o fato de que, assim como os Warriors, eles são um grupo de jogadores excêntricos, exóticos, fora da caixa, "indesejáveis" para o basquete tradicional e que acreditam inteiramente no modelo que aplicam.

Não faltarão, claro, detratores dizendo que basquete não deveria ser jogado dessa maneira, que a tradição do esporte está em risco, que as bolas de longe são prejudiciais ao basquete. Mas pela porta revolucionária e vencedora que Stephen Curry abriu, outros jogadores também querem passar. Damian Lillard é apenas o primeiro a desafiá-lo sob os mesmos preceitos; se necessário surgirão muitos outros, até que os Warriors de Curry sejam desbancados e outra ideia de como se jogar basquete venha tomar-lhe o lugar.

* Bola Presa é um blog de basquete que cobre a NBA desde 2007. Siga no Twitter, no Facebook e no Youtube

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi publicado, a vitória sobre o Oklahoma City Thunder classificou o Portland Trail Blazers às semifinais da Conferência Oeste, e não às finais. A informação foi corrigida.
ESPN, Ei PLus e Fox Sports

Assista aos jogos e programas de ESPN, EI Plus e Fox Sports sem TV a cabo.

Basquete