Topo

Basquete


Time de basquete do Real Madrid paga mais que o Corinthians de Tite

Fábio Aleixo

Do UOL, em São Paulo

25/09/2015 06h00

Cristiano Ronaldo, Benzema, Bale, Modric, Sergio Ramos e muitos outros. Quando o assunto é futebol o Real Madrid se destaca por contratar craques e seguir sendo galáctico. Mas não é só no esporte mais popular do mundo que os merengues constam com uma constelação. Quando o assunto é basquete, o clube da capital espanhola também é capaz de fazer inveja a qualquer um. Para se ter uma ideia, a folha salarial do time por temporada é até mesmo maior do que a do Corinthians, líder do Campeonato Brasileiro: R$ 119 milhões a R$ 108 milhões. No futebol nacional, nenhum clube gasta tanto em salários quanto os madrilenhos.

E, neste fim de semana, os astros estarão em São Paulo em busca do título da Copa Intercontinental, uma espécie de Mundial de Clubes. Nesta sexta-feira, às 21h, e no domingo, às 12h, medirão forças com Bauru no Ginásio do Ibirapuera.

Não se trata de exagero a comparação entre os elencos de futebol e basquete do Real. O time que enfrenta Bauru reúne atletas de várias partes do mundo e que possuem currículos recheados. O histórico do Real nas quadras é para lá de vencedor e eles querem colocar um título mais na galeria.

"Sabemos da responsabilidade que temos. Representar o Real Madrid em um nível mundial é muito importante. Levamos em nossos peitos um escudo que sempre exige muito. Desde que ganhamos a Euroliga era um título que queríamos. Mas sabemos que enfrentaremos um grande rival", disse o técnico Pablo Laso.

Saiba porque o Real Madrid também é poderoso no basquete.

Maior campeão europeu e mundial da história

Assim como no futebol, o time de basquete é o maior campeão europeu da história. Se nos gramados foram dez as taças conquistadas, nas quadras não é muito diferente. São nove títulos, o último deles na temporada 2014-2015. Foi isso que credenciou o Real a jogar a Copa Intercontinental.

E o time espanhol é líder também do ranking de maiores vencedores deste torneio. São quatro taças, a última delas em 1981, exatamente no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. na ocasião, derrotou o Sírio por 109 a 83.

Para finalizar, o Real é o maior campeão europeu de todos os tempos, com 32 títulos.

Reunião de astros de seleções

Para se ter noção do poderio, bastaria dizer que quase metade da seleção espanhola que conquistou o título do Campeonato Europeu no último fim de semana e garantiu vaga na Olimpíada do Rio de Janeiro jogam no time. São eles: Sergio Rodríguez, Sergio Lllul, Rudy Fernandez, Felipe Reyes e Guillermo Hernangómez.

Mas a força vai muito além disso. O lituano Jonas Maciulis foi o principal nome da Lituânia no vice-europeu e também estará no Rio. Andrés Nocioni foi campeão olímpico com a Argentina em 2004 e virá ao Brasil em 2016 ainda como um dos destaques de sua seleção. Isso sem falar do mexicano Gustavo Ayón, eleito o melhor pivô da última Copa América e que ainda tem chance de jogar a Olimpíada.

Oito medalhas olímpicas juntas

Nem mesmo times da NBA contam em seu elenco com tantos atletas que já tiveram a oportunidade de subir ao pódio em uma edição dos Jogos. Andrés Nocioni ganhou ouro em Atenas-2004 e bronze em Pequim-2008. Já os outros medalhistas são todos espanhóis. Rudy Fernández e Felipe Reyes foram prata em 2008 e em Londres-2012. Também fizeram parte da campanha da seleção espanhola na Inglaterra.

Cifras milionárias envolvidas

Estimativas da imprensa espanhola dão conta que o Real Madrid investiu em salários na última temporada 27 milhões de euros (R$ 119 milhões). O valor neste ano é semelhante. O clube é que mais gasta na Espanha. Em segundo lugar aparece o Barcelona, com 25 milhões de euros (R$ 111 milhões).

Os gastos do Real com salário são quase 11 vezes maior que todo o orçamento do Bauru para a disputa de uma temporada no Brasil.

Até na NBA o Real quer jogar

Recentemente o presidente Florentino Pérez declarou a uma rádio espanhola que iria conversar com o comissário da NBA Adam Silver sobre a possibilidade de o clube ser o primeiro europeu a participar da NBA. E o desejo é compartido também por Juan Carlos Sánchez, diretor de basquete da agremiação.

"O Real Madrid tem de estar no melhor dos lugares e cenários possíveis. No momento estamos jogando a Euroliga, que é uma competição muito importante. Mas se no futuro a NBA decide se expandir para a Europa, o Real Madrid tem de estar", afirmou em entrevista exclusiva ao UOL Esporte.

"Mas no momento estamos pensando apenas em ganhar esta Intercontinental. Seria um feito histórico e maravilhoso", completou.