PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Vencedora da São Silvestre supera bloqueio psicológico e exaustão em prova

Queniana Nancy Kripon comemora no pódio a conquista do primeiro lugar na São Silvestre 2013  - AFP PHOTO/Nelson ALMEIDA
Queniana Nancy Kripon comemora no pódio a conquista do primeiro lugar na São Silvestre 2013 Imagem: AFP PHOTO/Nelson ALMEIDA

Luiza Oliveira

Do UOL, em São Paulo

31/12/2013 15h48

Nancy Kipron está acostumada a vencer e a deixar as brasileiras para trás. Mas a São Silvestre sempre foi um tormento para a queniana que não suportava a pressão e tinha um bloqueio psicológico que a impedia de vencer. Em 2013, ela venceu as próprias barreiras e conquistou o inédito título da prova.

Nancy alcançou o feito após quatro tentativas sem sucesso. Ela disse que foi necessário mudar o treino até fazer um trabalho psicológico.

“É verdade que ganhei várias provas no Brasil. E a São Silvestre sempre foi um problema para mim, mas resolvei que tinha que mudar minha cabeça e a forma de encarar a São Silvestre. Neste ano mudei minha mente, minha psicologia, meu treino, tudo. Agora é um novo ano para mim e tudo será novo”, disse.

Nancy já conquistado provas importantes no circuito nacional como a Volta da Pampulha por três vezes, os 10 km do Rio e a corrida de Reis, mas na principal corrida de rua do país não conseguia bons resultados.

Sua melhor performance havia sido um nono lugar. Para ela, o maior problema era a pressão que ela sentia.  “Era muita pressão, é uma corrida internacional, eu sentia que vinham muitos atletas de fora melhores que eu e eu tinha isso na minha mente”.

Mesmo tendo superado sua maior dificuldade, a prova não foi fácil para Nancy. Ela começou a prova em um ritmo muito pesado e, por isso, sofreu na reta final. “Gastei muita energia no começo e perdi no fim”.

Esporte