PUBLICIDADE
Topo

UOL lança selo de confiabilidade de pesquisas eleitorais

Arte/UOL
Imagem: Arte/UOL

Do UOL, em São Paulo

31/05/2022 04h00Atualizada em 13/06/2022 12h02

O UOL elaborou uma lista de critérios de classificação de pesquisas eleitorais. A partir de entrevistas com especialistas, analisamos metodologias, cenários apontados nas pesquisas e histórico dos institutos responsáveis pelas pesquisas.

Entre os especialistas ouvidos para a elaboração desses critérios estão estatísticos que trabalham para institutos de pesquisa que participaram desta análise sob a condição de anonimato. Nenhum deles permitiu ser identificado. Também foram ouvidos estatísticos de universidades.

Alguns detalhes sobre a condução das pesquisas conferem mais ou menos peso a um levantamento.

Por exemplo, ganham peso positivo na avaliação pesquisas em que as entrevistas são feitas presencialmente, diante do eleitor. Nessas situações, o profissional a serviço do instituto pode mostrar os nomes dos candidatos em um gráfico em forma de pizza, de modo a não influenciar a resposta do eleitor privilegiando um nome ou outro.

Outro exemplo: são menos valorizados os questionários aplicados por telefone, em que o entrevistador faz a leitura dos candidatos em uma certa ordem, o que pode influenciar a resposta do eleitor.

Resultados de pesquisas com perguntas feitas por computador também podem comprometer a isonomia.

Há outros pontos também observados, como o tamanho da amostragem, que confere abrangência e aleatoriedade ao levantamento, e transparência, tanto nos métodos quanto nos financiadores. A Justiça Eleitoral obriga a divulgar essas informações apenas em anos eleitorais.

Também foi levado em consideração o grau de isenção de cada instituto, com peso positivo maior a institutos que não possuem ligações ou que não recebem financiamento de empresas do poder público.

Segundo esses critérios, a classificação das pesquisas feita pelo UOL é:

  • Muito confiável - a pesquisa é realizada por instituto com histórico confiável e consolidado, sem ligação com empresas públicas, com uso de método de entrevistas consistente e transparente e entrevistas feitas presencialmente;
  • Confiável - a pesquisa é realizada por instituto que usa método de entrevistas consistente e transparente, mas sem histórico tão consolidado, com questionários aplicados presencialmente ou por telefone; o instituto pode ter ligação ou financiamento de empresas públicas;
  • Só aponta tendências - a pesquisa é realizada por instituto com método de entrevistas não tão consistente, com o uso primordial de ligações telefônicas ou robôs, mas que serve para registrar mudanças nos cenários eleitorais; o instituto pode ter ligação ou financiamento de empresas públicas;
  • Controversa - a pesquisa é realizada por instituto com método de entrevistas não tão consistente, normalmente feito por telefone, e com cenários eleitorais já rebatidos por especialistas; o instituto pode ter ligação ou financiamento de empresas públicas.


Assim foram divididas as pesquisas feitas pelos institutos:


Muito confiável

Datafolha

  • Como são feitas as entrevistas - Geralmente, faz entrevistas presenciais em pontos de grande fluxo de pessoas em áreas estabelecidas conforme distribuição do eleitorado brasileiro. Índice alto de conferência do material coletado.
  • Amostragem - Ouve entre 2.000 a 5.000 pessoas para as pesquisas presidenciais, com índice de confiabilidade de 95%.
  • Transparência - Sempre divulga seu método de pesquisa, mesmo que não seja ano de eleições, o que por lei torna obrigatória essa comunicação. Também já teve agilidade para reiniciar o trabalho de campo quando houve mudança de cenário na disputa.
  • Vínculo com o poder público - Não tem.
  • Histórico - Instituto é confiável e com bastante experiência em levantamentos eleitorais, tendo sido fundado em 1983. O Datafolha faz parte do Grupo Folha, que tem participação minoritária, indireta e em ações sem direito a voto no UOL.


Ipec

  • Como são feitas as entrevistas - Em suas pesquisas, aborda entrevistados em suas casas, localizadas em áreas estabelecidas conforme distribuição do eleitorado brasileiro.
  • Amostragem - Cerca de 2.000 pessoas são entrevistadas em cada pesquisa do Ipec, com índice de confiabilidade de 95%.
  • Transparência - Sempre divulga seus métodos.
  • Vínculo com o poder público - Não tem.
  • Histórico - É confiável e carrega consigo a experiência dos antigos diretores do Ibope, instituto consolidado e que antecipou com precisão resultados eleitorais anteriores. Foi recentemente fundado (apenas em fevereiro do ano passado) e ainda não fez pesquisas presidenciais.


MDA

  • Como são feitas as entrevistas - Faz entrevistas presenciais na casa de eleitores.
  • Amostragem - Ouve cerca de 2.000 pessoas para cada levantamento, com confiabilidade de 95%.
  • Transparência - Divulga seus métodos de pesquisa e amostragem, mesmo que não seja ano de eleições, o que por lei torna obrigatória essa comunicação. Tem checagem de dados feita por um coordenador.
  • Vínculo com o poder público - Já fez trabalhos para partidos políticos, como o PSB e o MDB, e para governos, como o estado de Minas.
  • Histórico - É um instituto consolidado, que foi fundado em 1988. Desde 2012, realiza levantamentos somente a pedido da CNT (Confederação Nacional do Transporte).


Confiável

Ipespe

  • Como são feitas as entrevistas - Faz as entrevistas por telefone.
  • Amostragem - Ouve cerca de 2.000 pessoas para cada levantamento, com índice de confiança de 95%. Em 2021, também fez amostragens menores, com cerca de mil pessoas. A margem de erro das últimas pesquisas foi de 3,2 pontos percentuais, acima dos 2 pontos percentuais que pesquisas eleitorais geralmente têm.
  • Transparência - Divulga seus métodos e amostragem.
  • Vínculo com o poder público - Não tem.
  • Histórico - É um instituto consolidado, que foi fundado em 1986 e com pesquisas financiadas pela XP Investimento, que deixou de assinar o seu nome no levantamento a partir de setembro de 2021.

Quaest

  • Como são feitas as entrevistas - Normalmente são feitas entrevistas presenciais, mas antes de 2022 também fez levantamentos telefônicos ou por painel digital.
  • Amostragem - Ouve cerca de 2.000 eleitores para cada levantamento presidencial, com índice de confiança de 95% e margem de erro de dois pontos percentuais.
  • Transparência - Divulga seus métodos e amostragem.
  • Vínculo com o poder público - Não tem.
  • Histórico - O instituto tem uma parceria com a Genial Investimentos, a qual financia levantamentos sobre a corrida presidencial de 2022. Até 2020 não realizava pesquisas eleitorais presidenciais, só em Minas Gerais.


FSB Pesquisa

  • Como são feitas as entrevistas - As pesquisas são realizadas principalmente por telefone.
  • Amostragem - Usualmente, a FSB pesquisa ouve 2.000 pessoas em seus levantamentos eleitorais, que têm índice de confiabilidade de 95%. O controle de qualidade é realizado durante o campo, por equipe de auditoria.
  • Transparência - Desde 2018, tem divulgado seu método de pesquisa e amostragem.
  • Vínculo com o poder público - É ligado ao grupo FSB Comunicação, que presta serviços a empresas e órgãos públicos, como o Ministério da Saúde e o governo do Rio.
  • Histórico - É um instituto consolidado, fundado em 2008.


Ideia

  • Como são feitas as entrevistas - Os métodos utilizados variam, mas em 2022 tem feito a coleta por telefone. Índice alto de conferência do material coletado.
  • Amostragem - Os levantamentos ouvem cerca de 1.500 pessoas e têm margem de erro de 3 pontos percentuais, acima das pesquisas de outros institutos.
  • Transparência - Até 2018 realizava pesquisas eleitorais para consumo exclusivo de seus clientes, sem divulgação ampla. Tem tido pesquisas financiadas pela revista Exame.
  • Vínculo com o poder público - Não tem.
  • Histórico - Foi fundado em 2011 e só durante 2018 que passou a tornar público seus dados.


Real Time Big Data

  • Como são feitas as entrevistas - Faz as entrevistas sobre eleições por telefone.
  • Amostragem - Ouve cerca de 3.000 pessoas para cada levantamento, com índice de confiança de 95% e margem de erro de 2 pontos percentuais. Em 2021, fez a primeira sondagem presidencial para a disputa deste ano, com margem de erro de 3 pontos percentuais e menos pessoas entrevistadas.
  • Transparência - Divulga seus métodos e amostragem.
  • Vínculo com o poder público - Não tem.
  • Histórico - É um instituto consolidado, que foi fundado em 2015, mas só fez pesquisas presidenciais a partir de 2018, financiadas pela TV Record e pela CNN Brasil.


Só aponta tendências

PoderData

  • Como são feitas as entrevistas - Utiliza um método de entrevistas por telefone feitas por um robô, a partir de um banco de dados cadastrado. Para realizar a checagem da amostragem, verifica 20% das entrevistas com participantes, também de maneira automatizada. O equipamento liga para o telefone do eleitor, que escuta perguntas gravadas e as responde discando em seu telefone.
  • Amostragem - Em 2022, tem ouvido cerca de 3.000 pessoas em cada pesquisa, que têm sido feitas com curto espaçamento de tempo entre cada uma. Tem margem de erro de 2 pontos percentuais e índice de confiabilidade de 95%.
  • Transparência - Divulga seu método de pesquisa.
  • Vínculo com o poder público - Não tem.
  • Histórico - Foi fundado em 2017 e é ligado ao site Poder360.


Vox Populi

  • Como são feitas as entrevistas - Geralmente faz pesquisas presenciais sobre intenções de voto, abordando eleitores em suas casas.
  • Amostragem - A amostragem e margem de erro variam bastante, entre 1.300 e 3.000 pessoas, com margem de erro de 2 a 3 pontos percentuais.
  • Transparência - Ainda não registrou sondagens presidenciais em 2022.
  • Vínculo com o poder público - É um instituto que faz pesquisas financiadas por empresas, entidades, sindicatos, partidos políticos, veículos de comunicação e instituições acadêmicas.
  • Histórico - O Vox Populi, de Belo Horizonte, é um dos mais antigos institutos de pesquisa do Brasil. Foi fundado em 1984 e, quatro anos depois, realizou um levantamento sobre intenções de voto para eleição presidencial de 1989 --a primeira direta depois do golpe militar de 1964.


Controversa

Atlas

  • Como são feitas as entrevistas - Geralmente coleta os questionários por meio da metodologia Random Digital Recruitment (RDR), com convites aleatórios respondidos por usuários de internet durante uma navegação padrão.
  • Amostragem - O número de entrevistados varia de 1.600 a 6.000 pessoas. A margem de erro é de 1 a 2 pontos percentuais, com índice de confiabilidade de 95%.
  • Transparência - Ainda não fez pesquisas presidenciais.
  • Vínculo com o poder público - Não tem.
  • Histórico - O instituto já realizou pesquisas divulgadas no Brasil em parceria com o El País. Um levantamento da empresa com resultados reproduzidos pelo jornal aponta que o Atlas faz pesquisas por meio de questionários distribuídos via internet. As respostas obtidas "são calibradas por um algoritmo de acordo com as características da população brasileira".


Sensus

  • Como são feitas as entrevistas - Durante a eleição de 2018, financiou com recursos próprios a realização de pesquisas presidenciais, coletadas presencialmente nas casas dos eleitores. Neste ano, também fez entrevistas presenciais. O índice de confiabilidade foi de 95%.
  • Amostragem - Neste ano, ouviu 2.000 eleitores, com margem de erro de 2,2 pontos percentuais. Em 2018, foram ouvidas 1.500 pessoas por levantamento, mas só em Minas Gerais, o que também dificulta ampliar a amostragem para um retrato de toda a população brasileira. A margem de erro das pesquisas era de 2,5 pontos percentuais, também acima de outros institutos.
  • Transparência - Só divulga informações muito genéricas sobre seus métodos e não respondeu sobre as dúvidas nos questionários, o que demonstra falta de transparência. Baixo índice de conferência do material coletado.
  • Vínculo com o poder público - Não tem.
  • Histórico - O Sensus é um instituto de pesquisas com sede em Belo Horizonte. Tem mais de 27 anos de existência, segundo o site da empresa. Já foi parceiro da CNT (Confederação Nacional do Transporte), mas, desde 2016, pelo menos, a confederação não financia mais levantamentos do instituto. Seu levantamento em 2022 foi contratado pela revista IstoÉ.


Futura Inteligência

  • Como são feitas as entrevistas - As entrevistas são feitas por telefone.
  • Amostragem - As pesquisas presidenciais da Futura Inteligência ouvem 2.000 eleitores. Têm índice de confiabilidade de 95% e margem de erro de 2,2 pontos percentuais.
  • Transparência - Já teve resultados questionados por especialistas.
  • Vínculo com o poder público - Não tem.
  • Histórico - Só realiza pesquisas presidenciais desde 2021.


Paraná Pesquisas

  • Como são feitas as entrevistas - Na eleição de 2018, fez pesquisas com entrevistas presenciais. Também realiza levantamentos por telefone, a depender do que foi acordado com o financiador da pesquisa.
  • Amostragem - Não tem um padrão de amostra, margem de erro e índice de confiabilidade.
  • Transparência - Já foi questionado pela Abep (Associação Brasileira das Empresas de Pesquisas), que faz auditorias nos institutos filiados, sobre sua metodologia de trabalho.
  • Vínculo com o poder público - Em 2018, teve pesquisas financiadas pela Fundação Presidente Jânio Quadros, ligada ao partido PRTB, do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, e também teve contrato fechado com o governo federal de Bolsonaro.
  • Histórico - Foi fundada em 1990 e realizou seu primeiro levantamento sobre intenções de voto para presidente em 2013.

A Abep (Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa) criticou o selo de confiabilidade do UOL em nota.

O UOL modificou a notícia para tornar mais claros os critérios adotados e, durante a revisão, percebeu que cometeu um erro na avaliação da FSB